Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Antônio Rodrigues Lima

Nasceu em 28 de setembro de 1854, em Santa Isabel do Paraguaçú, no Estado da Bahia. Filho de Joaquim Manoel Rodrigues Lima e de D. Rita Sofia Gomes Lima.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1875, defendendo a tese intitulada “Haverá semelhança entre a septicemia, a infecção purulenta e a febre puerperal?”. Após a formatura, viajou para a Europa para aperfeiçoar seus estudos.

De volta ao Brasil, elegeu-se a deputado provincial na Bahia. Em 1881, foi eleito deputado geral e assumiu sua cadeira na Assembleia Geral, no Rio de Janeiro. Apoiou o gabinete liberal de Manuel Pinto de Sousa Dantas e encerrou seu mandato em 1884. Ainda durante o Império, defendeu a causa abolicionista.

Depois da proclamação da República em 1889, aderiu ao novo regime. Em 1894 foi eleito deputado federal pela Bahia e em maio assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro.

Em 1896 conseguiu sua transferência como professor da Faculdade de Medicina da Bahia para a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Foi reeleito em 1897 e em 1900, e nesse último ano participou do 4º Congresso Médico Nacional, realizado durante a comemoração do 4º Centenário do Descobrimento do Brasil.

Durante o evento, foi concebida a ideia da construção de uma maternidade escola na cidade do Rio de Janeiro. Além de Antônio Rodrigues Lima, contribuíram para a concretização desse projeto os médicos Werneck de Almeida, Gonçalves Penas, Vieira Souto e Azevedo Júnior.

No parlamento, liderou uma campanha para que o Congresso Nacional ajudasse financeiramente o projeto, o que resultou na compra da sua futura sede, na rua das Laranjeiras, em 1901.

Em 1903 conseguiu mais um mandato como deputado federal e, no ano seguinte, foi considerado o fundador e nomeado primeiro diretor da Maternidade Escola do Rio de Janeiro, que posteriormente seria incorporada à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em dezembro de 1905 concluiu seu mandato, ao final da legislatura.

Voltou a ser eleito deputado federal pelo estado da Bahia em 1909, o mesmo ocorrendo em 1912, 1915 e 1917. Permaneceu na Câmara dos Deputados até dezembro de 1920, quando concluiu seu último mandato. Durante sua vida parlamentar legislou sobre higiene pública e fez parte das comissões de Instrução e Saúde Pública.

Faleceu em 29 de agosto de 1923.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 216

Cadeira: 76 - Joaquim Pinto Portella

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 29/08/1901

Posse: 19/09/1901

Sob a presidência: Nuno Ferreira de Andrade

Falecimento: 29/08/1923

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 216

Cadeira: 76 - Joaquim Pinto Portella

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 29/08/1901

Posse: 19/09/1901

Sob a presidência: Nuno Ferreira de Andrade

Falecimento: 29/08/1923

Nasceu em 28 de setembro de 1854, em Santa Isabel do Paraguaçú, no Estado da Bahia. Filho de Joaquim Manoel Rodrigues Lima e de D. Rita Sofia Gomes Lima.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1875, defendendo a tese intitulada “Haverá semelhança entre a septicemia, a infecção purulenta e a febre puerperal?”. Após a formatura, viajou para a Europa para aperfeiçoar seus estudos.

De volta ao Brasil, elegeu-se a deputado provincial na Bahia. Em 1881, foi eleito deputado geral e assumiu sua cadeira na Assembleia Geral, no Rio de Janeiro. Apoiou o gabinete liberal de Manuel Pinto de Sousa Dantas e encerrou seu mandato em 1884. Ainda durante o Império, defendeu a causa abolicionista.

Depois da proclamação da República em 1889, aderiu ao novo regime. Em 1894 foi eleito deputado federal pela Bahia e em maio assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro.

Em 1896 conseguiu sua transferência como professor da Faculdade de Medicina da Bahia para a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Foi reeleito em 1897 e em 1900, e nesse último ano participou do 4º Congresso Médico Nacional, realizado durante a comemoração do 4º Centenário do Descobrimento do Brasil.

Durante o evento, foi concebida a ideia da construção de uma maternidade escola na cidade do Rio de Janeiro. Além de Antônio Rodrigues Lima, contribuíram para a concretização desse projeto os médicos Werneck de Almeida, Gonçalves Penas, Vieira Souto e Azevedo Júnior.

No parlamento, liderou uma campanha para que o Congresso Nacional ajudasse financeiramente o projeto, o que resultou na compra da sua futura sede, na rua das Laranjeiras, em 1901.

Em 1903 conseguiu mais um mandato como deputado federal e, no ano seguinte, foi considerado o fundador e nomeado primeiro diretor da Maternidade Escola do Rio de Janeiro, que posteriormente seria incorporada à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em dezembro de 1905 concluiu seu mandato, ao final da legislatura.

Voltou a ser eleito deputado federal pelo estado da Bahia em 1909, o mesmo ocorrendo em 1912, 1915 e 1917. Permaneceu na Câmara dos Deputados até dezembro de 1920, quando concluiu seu último mandato. Durante sua vida parlamentar legislou sobre higiene pública e fez parte das comissões de Instrução e Saúde Pública.

Faleceu em 29 de agosto de 1923.