Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Síndromes pós-covid

Dificuldade de atenção, perda de memória, palpitação, redução da capacidade pulmonar, hepatite, perda de cabelo, baixa acuidade visual, insuficiência renal, trombose, problemas com sono. Estas são apenas algumas das consequências que podem ser causadas pela covid-19. 

Nesta quinta-feira (8/4), a partir das 14:00, encontro da ANM promoverá esclarecimentos sobre as doenças pós-covid. 

Entre os convidados, os acadêmicos Celso Ramos que falará sobre a infectologia; José Galvão Alves abordará as alterações gastrointestinais; Fábio Jatene focará nos aspectos do coração; Patrícia Rocco pontuará a infecção no pulmão; o fígado e as vias biliares será tema do hepatologista Carlos Eduardo Brandão, as manifestações cutâneas serão assunto do dermatologista Omar Lupi; o transplante renal pós-covid será enfocado por José Medina. Problemas renais, no ouvido e na garganta, psiquiátricos e os pacientes oncológicos serão ainda abordados, respectivamente, pelos médicos José Suassuna, Jair de Castro, Antonio Egídeo Nardi e Paulo Hoff. A oftalmologista Heloisa Nascimento, do Programa Jovens Lideranças Médicas da ANM, falará sobre impacto da covid na retina.

O encontro ainda contará com Carmita Abdo falando de sexualidade e covid; a jornalista Claudia Collucci, da Folha de São Paulo, que abordará as lacunas na assistência aos sequelados; Fabricio Braga Silva que discutirá a importância da reabilitação; e Flávio Kapczinski com as manifestações neuropsiquiátricas.

Coordenado pelos acadêmicos Carlos Alberto Barros Franco e José Galvão Alves, a live é gratuita e não necessita inscrições prévias.

Serviço:
Data: quinta-feira (8/4)
Horário: a partir das 14 horas
Live: zoom/anmbr ou facebook/acadnacmed

Academias de Medicina discutem pandemias

Um encontro memorável reuniu diversas Academias brasileiras de Medicina, além de outras entidades médicas para trazer reflexões sobre pandemias ao longo dos séculos e como os fatos históricos podem nos ajudar a não errar mais no enfrentamento nacional da atual pandemia pelo coronavírus. 

Entre os convidados, o ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que traçou uma linha do tempo da atual epidemia pelo coronavírus sob a influência política do governo. Mandetta contou durante a liveos primórdios da epidemia em Wuhan, na China, e como o Ministério da Saúde monitorava dia a dia a explosão de casos na Ásia, a chegada ao continente europeu e depois no Brasil. Quais as ações foram tomadas inicialmente e, como ao longo da evolução, as interferências políticas inviabilizaram as ações e estratégias adotadas para enfrentar o SARS-CoV-2.

O presidente da ANM, Rubens Belfort Jr., um dos organizadores do evento, ressaltou o importante papel desempenhado pelo ex-Ministro Mandetta e agradeceu, simbolicamente, em nome dos brasileiros.

Várias pandemias foram ainda abordadas pelo infectologista Stefan Cunha Ujvari que apontou, ao longo da história da humanidade, os exemplos da peste negra, do vírus da varíola, sarampo, dengue, aids, influenza, outros coronavírus e a sífilis e trouxe curiosidades como a origem do termo quarentena que foi instituído com bases nas histórias religiosas, assim como acreditava-se que as epidemias eram castigo de Deus.

O evento “Encontro de Academias de Medicina. Pandemias: passado e futuro” contou ainda com a participação dos médicos José Luiz de Lima Filho e Euler Esteves Ribeiro. A organização da livereuniu o José Luiz Gomes do Amaral, presidente da Academia de Medicina de São Paulo, além de membro titular da ANM, o vice-presidente da ANM, Omar da Rosa Santos, Vicente Herculano da Silva, da Federação de Brasileira de Academias de Medicina.

Vacina já e máscara sempre

Academia Nacional de Medicina lança campanha Vacina já e máscara sempre. Importante frisar que a chegada da vacina não significa que poderemos sair livremente sem os cuidados essenciais enquanto persistir a pandemia:

  1. O uso de máscaras deve continuar o tempo todo em que estivermos nas ruas ou recebendo pessoas em casa;
  2. O distanciamento social deve ser mantido. Evitar ao máximo e sempre que possível as aglomerações. Esta é ainda uma das melhores formas de se evitar o contágio;
  3. O uso de álcool em gel, assim como a lavagem das mãos de forma constante. Espalhe essa ideia!

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.