Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Juntos somos mais fortes

Um consórcio de instituições universitárias, academias, frentes de políticos e empresários se consagrou na live que reuniu mais de 300 participantes, no dia 17 de março de 2021, e discutiu formas para enfrentamento dos gargalos e propostas estratégicas que contribuam para agilizar a vacinação em massa contra covid no Brasil.

Promovida pelas academias Nacional de Medicina, Brasileira de Ciências, de Ciências Farmacêuticas do Brasil e pela Universidade Federal de São Paulo (Unfesp), o evento trouxe personalidades, iniciativas e propostas que visam minimizar os danos causados no dramático cenário vivenciado no país neste momento da pandemia.

São cerca de 300 mil mortes pela covid-19, mais de 11 milhões de meio de casos e uma vacinação lenta sem um plano nacional.

Participaram do evento, a empresária Luiza Helena Trajano que falou sobre as iniciativas que tem liderado com o Unidos pela Vacina e Mulheres do Brasil que, hoje conta com mais de 82 mil mulheres espalhadas em todo território nacional. Ambos os movimentos visam agilizar a compra de vacinas no mercado internacional, distribui-las e acompanhar no dia a dia os gargalos vivenciados pelos municípios do país, procurando de forma célere, através de padrinhos locais, contribuir para agilizar o processo. A meta é vacinar 70% da população até setembro de 2021, disse Luiza Trajano.

Pelas universidades federais, três mulheres convidadas: as reitoras da Unifesp, Soraya Smaili; da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Denise Pires; e da Federal de Minas Gerais, Sandra Goulart Almeida. A mensagem unânime foi sobre a gravidade do momento, a solidariedade aos familiares de todas as vítimas, a necessidade de ações conjuntas e a capacidade da ciência nacional em dar respostas, mas como ressaltaram faltam investimentos e apoio governamental. Ao fim do debate, todos foram brindados pela notícia animadora da garantia dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) – uma das principais fontes orçamentárias do sistema de C&T.

O encontro ainda contou com os políticos Jonas Donizetti, da Frente Nacional de Prefeitos, que ressaltou, entre as esferas do governo federal, estadual e municipal, quem arca com os maiores gastos atuais do SUS são os municípios. Donizetti destacou ainda o espírito de união para encontrar soluções tanto no processo de vacinação em massa como nos problemas com abastecimento de medicamentos e falta de leitos de UTIs.

Os deputados, ambos médicos, Hiran Gonçalves, da Frente Parlamentar de Medicina, e Luis Antonio Teixeira Jr., da Comissão Externa de Enfrentamento à Covid, destacaram quais ações podem ser adotados para acelerar a vacinação em massa da população brasileira e citaram alguns exemplos como: liberação dos lotes guardados para segunda dose, vacinação durante as 24 horas, sete dias por semana, identificação das vulnerabilidades e atuação junto aos movimentos sociais para equacionar as dificuldades.

O presidente da Academia Nacional de Medicina, Rubens Belfort Jr, finalizou apontando a importância do evento e reafirmou: “Nós nunca vamos desistir. Temos muito em comum e bons exemplos a seguir.”

Estratégias brasileiras para vacinas

Nesta quinta-feira, dia 11 de março, a Academia Nacional de Medicina (ANM) promove simpósio sobre as Estratégias brasileiras para a produção de vacinas.

Entre os convidados, o acadêmico da ANM e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Marcelo Marcos Morales, atualmente como Secretário de Políticas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Morales falará sobre os avanços das pesquisas desenvolvidas no âmbito da RedeVírus do MCTI, principalmente às relacionadas ao desenvolvimento de vacinas. São 15 estratégias nacionais de vacinas que receberam um investimento de R$ 26 milhões do Ministério. Dessas estratégias, três são contra a covid-19 e estão em testes de animais.

O acadêmico Jerson Lima Silva, também pesquisador na UFRJ e presidente da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do  Estado do Rio de Janeiro, Jerson Lima Silva, será outro dos convidados. Lima Silva falará dos investimentos das Fundações de Amparo à Pesquisa e, especialmente, dos editais lançados pela agência fluminense e quais estão nos planos para 2021, focado em vacinas.

Na agenda,  ainda palestra do professor Ricardo Gazinnelli, que apresentará a produção de lotes BPF para os ensaios clínicos de vacinas para covid-19 e doenças negligenciadas. E da Anvisa, Gustavo Mendes Lima Santos, contará qual é a situação atual para registro de vacinas: o caso covid-19.

A experiência do Instituto Vital Brazil na produção de imunobiológicos será abordado pelo presidente da instituição, Átila Torres de Castro; e o vice-presidente de Produção e Inovação da Fiocruz, Marco Krieger, falará sobre como andam as estratégias de produção de vacinas pela instituição.

O evento, que começará às 15:00, é coordenado pelo presidente da ANM, Rubens Belfort Jr., e será transmitido via Facebook Live/acadnacmed e pela plataforma zoom/anmbr.

Serviço:
Dia: 11/3/2021
Horário:15:00 às 18:00
Local: Facebook/acadnacmed e zoom/anmbr

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.