Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Carlos Henrique Robertson Liberalli

Nasceu em 13 de setembro de 1909, no Rio de Janeiro (RJ).

Filho de Carlos da Costa Liberalli e Daisy Robertson Liberalli.

Graduou-se em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Rio de Janeiro, atual UFRJ, em 1927, e em Medicina pela Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, em 1934. Obteve doutorado em Farmácia em 1946 pela Universidade de São Paulo, obtendo o título de livre-docente.

Foi eleito Correspondente Nacional em 05 de junho de 1942, por proposta assinada por 11 Membros Titulares e Eméritos, datada de 07 de maio de 1942.

Catedrático de Farmacotécnica da Faculdade de Farmácia e Bioquímica da USP; Diretor da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Piracicaba. Foi químico licenciado pelo Ministério do Trabalho (1936); Secretário Geral da Sociedade Brasileira de Química; Orador Oficial e Vice-presidente da Associação Brasileira de Farmacêuticos. Farmacêutico-Químico do Departamento Nacional de Saúde do Brasil (1931-1938), por concurso; Diretor técnico e Chefe do Departamento de Controle do Instituto Medicamenta Fontoura (São Paulo, 1939); Redator-Chefe da “Revista da Sociedade Brasileira de Química”; Membro da Comissão de Revisão da Farmacopeia Brasileira e da Comissão de Padronização Farmacêutica de São Paulo.

Presidente de Honra da Secção Científica do III Congresso Brasileiro de Farmácia (1939); Secretário Geral do III Congresso Farmacêutico e Bioquímico Pan-Americano e V Congresso Brasileiro de Farmácia (São Paulo, 1954); Membro Honorário da Secção de História da Farmácia do 5º Congresso Farmacêutico e Bioquímico Pan-Americano (Washintgon, 1957); Presidente do 1º Seminário dos Profissionais de Farmácia do Brasil (Recife, 1952).

Membro de diversas Sociedades Científicas, nacionais e internacionais, atuou como Presidente da Associação dos Professores de Farmácia do Brasil e da Sociedade de Farmácia e Química de São Paulo. Foi ainda Vice-Presidente da União Farmacêutica de São Paulo, da Sociedade Paulistana de História da Medicina e da Associação Brasileira de Farmacêuticos.

Dentre medalhas e condecorações, recebeu a Medalha Imperatriz Leopoldina do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, oficializada pelo Ministro da Educação; Medalhas Pirajá da Silveira e Gaspar Vianna, oficializadas pelo Ministério da Saúde; Medalhas Nina Rodrigues e Oscar Freire da Sociedade de Medicina Legal e Criminologia; Medalha da Sociedade Geográfica Brasileira; Medalha José Bonifácio de Andrada e Silva, da Sociedade Heraldica; Medalha do Patriarca, da Prefeitura de Santos; Medalha José Bonifácio, da Marinha de Guerra. Ordem ao Mérito do Infante D. Henrique da Casa de Portugal, São Paulo. Laureado da Associação Brasileira de Farmacêuticos, com os prêmios: Carracido (internacional), Granado, Raul Leite e Monteiro da Silva.

Publicou dezenas de trabalhos especializados, entre eles “O Sistema Periódico e os Novos Elementos” e “Nova Reação para Ácidos-Alcoois”. Integrou comissões examinadoras de concursos e participou de diversos congressos, simpósios e mesas redondas, no Brasil e no Exterior.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Sobre a Determinação da Di-hidro-estreptomicina em Suspensões Complexas, para uso oral”.

Faleceu em 26 de setembro de 1970.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 464

Cadeira: 95 - Joaquim Monteiro Caminhoá

Membro: Titular

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 10/09/1964

Posse: 04/02/1965

Sob a presidência: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Antecessor: Carlos Benjamin da Silva Araujo

Falecimento: 26/09/1970

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 464

Cadeira: 95 - Joaquim Monteiro Caminhoá

Membro: Titular

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 10/09/1964

Posse: 04/02/1965

Sob a presidência: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Antecessor: Carlos Benjamin da Silva Araujo

Falecimento: 26/09/1970

Nasceu em 13 de setembro de 1909, no Rio de Janeiro (RJ).

Filho de Carlos da Costa Liberalli e Daisy Robertson Liberalli.

Graduou-se em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Rio de Janeiro, atual UFRJ, em 1927, e em Medicina pela Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, em 1934. Obteve doutorado em Farmácia em 1946 pela Universidade de São Paulo, obtendo o título de livre-docente.

Foi eleito Correspondente Nacional em 05 de junho de 1942, por proposta assinada por 11 Membros Titulares e Eméritos, datada de 07 de maio de 1942.

Catedrático de Farmacotécnica da Faculdade de Farmácia e Bioquímica da USP; Diretor da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Piracicaba. Foi químico licenciado pelo Ministério do Trabalho (1936); Secretário Geral da Sociedade Brasileira de Química; Orador Oficial e Vice-presidente da Associação Brasileira de Farmacêuticos. Farmacêutico-Químico do Departamento Nacional de Saúde do Brasil (1931-1938), por concurso; Diretor técnico e Chefe do Departamento de Controle do Instituto Medicamenta Fontoura (São Paulo, 1939); Redator-Chefe da “Revista da Sociedade Brasileira de Química”; Membro da Comissão de Revisão da Farmacopeia Brasileira e da Comissão de Padronização Farmacêutica de São Paulo.

Presidente de Honra da Secção Científica do III Congresso Brasileiro de Farmácia (1939); Secretário Geral do III Congresso Farmacêutico e Bioquímico Pan-Americano e V Congresso Brasileiro de Farmácia (São Paulo, 1954); Membro Honorário da Secção de História da Farmácia do 5º Congresso Farmacêutico e Bioquímico Pan-Americano (Washintgon, 1957); Presidente do 1º Seminário dos Profissionais de Farmácia do Brasil (Recife, 1952).

Membro de diversas Sociedades Científicas, nacionais e internacionais, atuou como Presidente da Associação dos Professores de Farmácia do Brasil e da Sociedade de Farmácia e Química de São Paulo. Foi ainda Vice-Presidente da União Farmacêutica de São Paulo, da Sociedade Paulistana de História da Medicina e da Associação Brasileira de Farmacêuticos.

Dentre medalhas e condecorações, recebeu a Medalha Imperatriz Leopoldina do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, oficializada pelo Ministro da Educação; Medalhas Pirajá da Silveira e Gaspar Vianna, oficializadas pelo Ministério da Saúde; Medalhas Nina Rodrigues e Oscar Freire da Sociedade de Medicina Legal e Criminologia; Medalha da Sociedade Geográfica Brasileira; Medalha José Bonifácio de Andrada e Silva, da Sociedade Heraldica; Medalha do Patriarca, da Prefeitura de Santos; Medalha José Bonifácio, da Marinha de Guerra. Ordem ao Mérito do Infante D. Henrique da Casa de Portugal, São Paulo. Laureado da Associação Brasileira de Farmacêuticos, com os prêmios: Carracido (internacional), Granado, Raul Leite e Monteiro da Silva.

Publicou dezenas de trabalhos especializados, entre eles “O Sistema Periódico e os Novos Elementos” e “Nova Reação para Ácidos-Alcoois”. Integrou comissões examinadoras de concursos e participou de diversos congressos, simpósios e mesas redondas, no Brasil e no Exterior.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Sobre a Determinação da Di-hidro-estreptomicina em Suspensões Complexas, para uso oral”.

Faleceu em 26 de setembro de 1970.