Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Marcos da Silva Penha Lima

Eleito Membro Titular na Academia Nacional de Medicina em 1835 e a posse se verificou logo a seguir.

No livro “O Povo de CAM na Capital do Brasil: A Escravidão Urbana no Rio de Janeiro no Século XIX”, de autoria de Luis Carlos Soares, Rio de Janeiro: Faperj, 7Letras, 2007, é relatado que em janeiro de 1833, três escravos do Dr. Marcos da Silva Penha Lima, Professor de Cirurgia, revoltaram-se na casa deste senhor, na Rua Larga de São Joaquim e quiseram assassiná-lo e a toda sua família. A polícia foi chamada a intervir, mas os cativos, armados, resistiram aos soldados e depois conseguiram se evadir. Um deles foi logo preso, mas os outros se refugiaram na Ilha das Cobras, na casa de José Pedro Valle, que era desertor do exército e vivia com uma escrava fugida. Estes dois escravos foram localizados pela polícia, que organizou uma operação para captura-los. Um deles resistiu com um facão e conseguiu escapar pela segunda vez, mas o outro foi preso, juntamente com o militar desertor e sua amante escrava.

O Dr. Marcos da Silva Penha Lima faleceu no dia 1º de março de 1848.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 40

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 15/10/1835

Posse: 15/10/1835

Sob a presidência: Joaquim Candido Soares de Meirelles

Falecimento: 01/03/1848

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 40

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 15/10/1835

Posse: 15/10/1835

Sob a presidência: Joaquim Candido Soares de Meirelles

Falecimento: 01/03/1848

Eleito Membro Titular na Academia Nacional de Medicina em 1835 e a posse se verificou logo a seguir.

No livro “O Povo de CAM na Capital do Brasil: A Escravidão Urbana no Rio de Janeiro no Século XIX”, de autoria de Luis Carlos Soares, Rio de Janeiro: Faperj, 7Letras, 2007, é relatado que em janeiro de 1833, três escravos do Dr. Marcos da Silva Penha Lima, Professor de Cirurgia, revoltaram-se na casa deste senhor, na Rua Larga de São Joaquim e quiseram assassiná-lo e a toda sua família. A polícia foi chamada a intervir, mas os cativos, armados, resistiram aos soldados e depois conseguiram se evadir. Um deles foi logo preso, mas os outros se refugiaram na Ilha das Cobras, na casa de José Pedro Valle, que era desertor do exército e vivia com uma escrava fugida. Estes dois escravos foram localizados pela polícia, que organizou uma operação para captura-los. Um deles resistiu com um facão e conseguiu escapar pela segunda vez, mas o outro foi preso, juntamente com o militar desertor e sua amante escrava.

O Dr. Marcos da Silva Penha Lima faleceu no dia 1º de março de 1848.