Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

A loucura de Hamlet

13/07/2012

“Talvez possa parecer estranho que se fale sobre Hamlet numa Academia Nacional de Medicina. Em realidade, não é sobre Hamlet, mas as loucuras em Hamlet”, disse o acadêmico e psiquiatra Eustachio Portella Nunes Filho durante abertura de sua conferência na sessão científica realizada no dia 12 de julho de 2012.

Eustachio Portella falou da falsa e da real loucura em Hamlet. Na peça, a falsa loucura tinha por objetivo obter dados que incriminassem o rei, tio de Hamlet, pela morte do seu pai e por ter se apoderado também de sua mãe. Sendo esta uma loucura fingida, mas com finalidade de arquitetar um plano de vingança, é necessariamente uma loucura com método, explica o acadêmico.

A loucura real na peça é incorporada por Ofélia, filha do criado Polônio, e está entre os casos de psicose mais marcantes na obra de Shakespeare. Sua loucura acaba por se desenvolver pela trama dos personagens e as mensagens contraditórias que recebe do seu pai, irmão e do próprio Hamlet. O pai e irmão proíbem-na de aceitar a corte de Hamlet. Por outro lado, esse mesmo pai aponta que a loucura de Hamlet é consequência da rejeição de Ofélia a Hamlet.

Segundo Eustachio Portella, Hamlet foi escrita em 1602 e, nesses mais de 400 anos, é a peça mais encenada em todo o mundo, o que acabou por gerar um impacto grande em diversas sociedades que transcendem épocas. De tão marcante, o personagem transformou-se em ícone dando nomes a praças, teatro e outros espaços culturais em todo o mundo, lembrou Portella. Sua figura, sem dúvida, é marcante e converteu a história numa das obras primas, ou talvez a mais conhecida dentre as 38 ou 39 escritas por Shakespeare, disse.

“Shakespeare não tinha aproximação com o ser humano que fosse só bonzinho. Ele não acreditava nisso. Eu também não acredito, mas não importa”, disse Portella. “O que vale nessa peça é como os personagens são apresentados, como são vividos, suas características. Todos apresentam aspectos bons e maus. O autor dá destaque para os lados positivo e negativo das pessoas. Em Hamlet, há esse aspecto altamente negativo que foi como o personagem principal se apresenta, como louco, à Ofélia. É essa loucura estranha, mas rica que também precisa ser conhecida por todos os médicos, inclusive os da Academia Nacional de Medicina”, finalizou Portella.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.