Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Acadêmico Aderbal Sabrá lança livro sobre Alergia Alimentar – 25 de junho de 2016

25/06/2016

O Acadêmico Aderbal Sabrá lançou, quinta-feira última, 25, na Academia Nacional de Medicina (ANM), a terceira edição do livro “Manual de Alergia Alimentar”, pela Editora Rubio. Durante mais de 20 anos de estudos e pesquisas, no Brasil e exterior, Aderbal Sabrá tem observado aumento significativo de pacientes com doenças alérgicas, em especial na população pediátrica.

As pesquisas do Acadêmico Aderbal Sabrá, coordenador do curso de Medicina da Unigranrio, (pós-doutorado em Gastroenterologia pediátrica em Denver/Colorado e na Wayne State University/Michigan; e pós-doutorado em Imunologia na Georgetown University/Washington.DC), indicam uma nova visão na prevenção e cura do autismo.

O Acadêmico Sabrá pesquisa alergia alimentar e autismo, tanto pela Unigranrio quanto pela Georgetown University, em associação com o renomado imunologista americano Joseph Bellantti. É a primeira vez que um cientista afirma que alergia alimentar interfere no neurônio, podendo causar convulsão, hiperatividade, transtorno de déficit de atenção na sua evolução patogênica, que pode chegar a produzir, consequentemente, autismo.

Segundo ele, na década de 70 a incidência alimentar incidia em, pelo menos, 2% dos adultos, percentual que subiu para 10% na atualidade. Nas crianças, este índice passou de 10% para 30%. No lançamento de seu livro, o Acadêmico Sabrá concedeu breve entrevista.

ENTREVISTA

Qual a abordagem do seu livro sobre a alergia alimentar?

Acadêmico Aderbal Sabrá: Alergia Alimentar é um livro único na literatura médica que aborda um assunto que está na ordem do dia. A incidência da alergia alimentar está em torno de 30% no mundo e por isso se trata de um problema de primeira grandeza. Todo clínico deve ter domínio deste tema.

Como estão seus estudos que associam a alergia alimentar ao autismo?

Acadêmico Aderbal Sabrá: Há 17 anos estou trabalhando nessa área e posso afirmar com precisão que, antes de ter autismo, o indivíduo é alérgico alimentar. E no curso desta alergia alimentar os sistemas imunológicos ficam buscando órgãos de choque. Quando encontram receptividade no cérebro, estes sistemas provocam uma reação que determina o autismo. É uma notícia nova, muda o paradigma desta doença e cria a primeira possiblidade de tratamento de cura por meio do tratamento da alergia alimentar.

Qual a receptividade desta tese na literatura médica?

Acadêmico Aderbal Sabrá: No dia 1º de junho pela primeira vez a Nature publicou um artigo que diz claramente que o sistema linfático tem acesso ao cérebro. Não conhecia a via demonstrada no artigo, mas já venho trabalhando nesta área, dizendo que os linfócitos vão ao cérebro. Isso só reforça todos os meus trabalhos.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.