Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Amor em tempos de pandemia

13/04/2021

Como manter a vida sexual ativa em tempos de pandemia? E para aqueles que não tem parceiros (as) fixos (as)? Usar ou não máscaras durante o ato sexual? Há vírus da covid no sêmen e no fluxo vaginal? Estas foram algumas das questões debatidas pela psiquiatra e sexóloga, a professora da USP Carmita Abdo, em live promovida pela Academia Nacional de Medicina, no dia 8 de abril de 2021.

Carmita trouxe dados científicos de estudos brasileiros e outros internacionais sobre comportamento sexual desde que a pandemia pelo coronavírus se espalhou pelo mundo. Para as perguntas acima, há ainda lacunas. São poucos os estudos e com número reduzido de indivíduos analisados com relação à presença do vírus no sêmen e na vagina. Diante disso, novas pesquisas são necessárias. Carmita Abdo falou ainda sobre novas características que passaram a ser importantes nas relações sexuais como a necessidade de um preparo cuidadoso antes do ato sexual e o uso de máscaras durante o ato.

Com as medidas restritivas de confinamento, houve aumento dos casos de depressão e redução do interesse sexual, especialmente entre as mulheres, disse a pesquisadora. Por outro lado, ela contou que alguns hábitos cresceram como novos usuários em plataformas virtuais de relacionamento. Segundo Abdo, em março e maio de 2020, houve um incremento de mais de 150% de homens cadastrados em sites de encontro virtuais no Rio de Janeiro e em São Paulo, além do crescimento de tráfego em sites pornográficos. Por outro lado, identificou-se uma queda de 70% no movimento de motéis e decréscimo de 20% na compra de preservativos. Pesquisas internacionais ainda apontaram a queda no desejo de engravidar e, de forma semelhante, no uso de preservativo.

A pesquisadora ainda comentou sobre sequelas da covid, focando na prevalência da disfunção erétil em homens que tiveram covid, em estudo que comparou aqueles não acometidos pela doença. Outro dado científico aponta que indivíduos com disfunção erétil foram mais propensos a ter covid-19. 

Abdo também abordou a violência interpessoal e sexual causadas pelo confinamento, desemprego, sobrecarga de trabalho e reestruturação dos papeis familiares. Em Portugal, segundo ela, a violência física sofrida pelos homens foi maior do que sobre as mulheres.

Ao final do evento, o acadêmico e ex-presidente da Academia Nacional de Medicina, Jorge Alberto Costa e Silva, sugeriu que Carmita e seu grupo da USP desenvolvam uma cartilha sobre sexo seguro em tempos de pandemia.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.