Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Edmundo Vasconcellos

Nasceu em 16 de maio de 1905, em São Paulo (SP).

Filho de Manoel Pereira de Vasconcellos e Maria Alice Vasconcellos.

Iniciou seus estudos no Colégio São Bento, tendo sido durante todo o curso o primeiro aluno, conquistando medalhas de ouro e menções honrosas. Ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde fez o 1° ano, sendo aprovado com distinção em todas as matérias. Transferiu-se para a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, onde diplomou se em 1928. Defendeu tese na Cadeira de Clínica Cirúrgica, com o trabalho “Cirurgia dos Divertículos do Esôfago”, aprovado com distinção. Com o mesmo trabalho, concorreu ao prêmio de cirurgia instituído pela Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, tendo obtido o prêmio Botelho de 1928.

Em abril de 1925, ainda como estudante, ingressou para a Clínica Cirúrgica do Professor Benedito Montenegro, tendo sido também Chefe de Clínica de seu serviço particular durante dez anos.

Em 1931, ingressou como 1º assistente e Chefe de Laboratório da Cadeira de Técnica Cirúrgica e Cirurgia Experimental, tendo sido efetivado aos 14 de fevereiro desse ano. Foi Catedrático de Técnica Cirúrgica, Cirurgia Experimental e Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; Cirurgião do Sanatório Santa Catarina, do Hospital Alemão e do Hospital Oswaldo Cruz; Cirurgião-Chefe dos Sanatórios Populares de Campos do Jordão e do Sanatório Santa Cruz.

Foram inúmeras as suas realizações e inovações no âmbito da cirurgia. Dentre elas destaca-se a metodização cirúrgica, técnica que ele publicou em detalhes, divulgando-a para os diversos serviços universitários do país. A importância dessa metodização reside em especificar as atribuições e tarefas da equipe cirúrgica, com os tempos técnicos do ato operatório sincronizados, sempre numa sequência perfeita – um trabalho que, ao lado da função artesanal, tinha muito de artístico e harmonioso. Mantinha-se a hierarquia dentro da sala de operações e cada elemento aprendia exatamente suas atribuições, havendo um cuidado escrupuloso para com os atos fundamentais de diurese, hemostasia e síntese, além da exploração endocavitária, resultando em um menor tempo operatório e anestésico em benefício do paciente. Ao terminar a intervenção, exigia-se que a mesa do instrumental cirúrgico devesse apresentar a mesma disposição e arranjo iniciais.

Diretor e idealizador do Instituto de Moléstias do Aparelho Digestivo da Gastroclínica de São Paulo, em 1949. Em 1991, a instituição teve seu nome alterado para Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, em homenagem ao Acadêmico. Atualmente, trata-se do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, por terem sido adicionadas aos seus serviços outras atividades e especialidades.

Fez parte de diversas associações, entre elas: Academia Paulista de Letras; Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, hoje, Academia de Medicina de São Paulo; Associação Paulista de Medicina; Sociedade de Biologia de São Paulo; Associação Médica do Instituto Penido Burnier de Campinas (Sócio Honorário); Sociedade Internacional de Cirurgia; Colégio Americano de Cirurgiões; Associação Argentina de Cirurgia (Sócio Titular) e Sociedade de Gastroenterologia de Nova York. Foi ainda Presidente do Colégio Internacional de Cirurgiões (1942) e Diretor do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional pelo Ministério da Educação e Cultura (1960).

Participou de dezenas congressos médicos, nacionais e internacionais, e teve diversos trabalhos e livros publicados. Entre os inúmeros prêmios e condecorações recebidas, pode-se destacar o Prêmio São Lucas da Academia de Medicina de São Paulo e a Medalha de Defesa da Saúde.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Síndrome de Má Absorção com Hepatomegalia (Familiar?)”.

Faleceu em 10 de novembro de 1990.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 480

Cadeira: 30 - Jorge Soares de Gouvêa

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 09/09/1971

Posse: 02/12/1971

Sob a presidência: José Leme Lopes

Saudado: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Antecessor: Jorge de Moraes Grey

Falecimento: 10/11/1990

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 480

Cadeira: 30 - Jorge Soares de Gouvêa

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 09/09/1971

Posse: 02/12/1971

Sob a presidência: José Leme Lopes

Saudado: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Antecessor: Jorge de Moraes Grey

Falecimento: 10/11/1990

Nasceu em 16 de maio de 1905, em São Paulo (SP).

Filho de Manoel Pereira de Vasconcellos e Maria Alice Vasconcellos.

Iniciou seus estudos no Colégio São Bento, tendo sido durante todo o curso o primeiro aluno, conquistando medalhas de ouro e menções honrosas. Ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde fez o 1° ano, sendo aprovado com distinção em todas as matérias. Transferiu-se para a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, onde diplomou se em 1928. Defendeu tese na Cadeira de Clínica Cirúrgica, com o trabalho “Cirurgia dos Divertículos do Esôfago”, aprovado com distinção. Com o mesmo trabalho, concorreu ao prêmio de cirurgia instituído pela Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, tendo obtido o prêmio Botelho de 1928.

Em abril de 1925, ainda como estudante, ingressou para a Clínica Cirúrgica do Professor Benedito Montenegro, tendo sido também Chefe de Clínica de seu serviço particular durante dez anos.

Em 1931, ingressou como 1º assistente e Chefe de Laboratório da Cadeira de Técnica Cirúrgica e Cirurgia Experimental, tendo sido efetivado aos 14 de fevereiro desse ano. Foi Catedrático de Técnica Cirúrgica, Cirurgia Experimental e Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; Cirurgião do Sanatório Santa Catarina, do Hospital Alemão e do Hospital Oswaldo Cruz; Cirurgião-Chefe dos Sanatórios Populares de Campos do Jordão e do Sanatório Santa Cruz.

Foram inúmeras as suas realizações e inovações no âmbito da cirurgia. Dentre elas destaca-se a metodização cirúrgica, técnica que ele publicou em detalhes, divulgando-a para os diversos serviços universitários do país. A importância dessa metodização reside em especificar as atribuições e tarefas da equipe cirúrgica, com os tempos técnicos do ato operatório sincronizados, sempre numa sequência perfeita – um trabalho que, ao lado da função artesanal, tinha muito de artístico e harmonioso. Mantinha-se a hierarquia dentro da sala de operações e cada elemento aprendia exatamente suas atribuições, havendo um cuidado escrupuloso para com os atos fundamentais de diurese, hemostasia e síntese, além da exploração endocavitária, resultando em um menor tempo operatório e anestésico em benefício do paciente. Ao terminar a intervenção, exigia-se que a mesa do instrumental cirúrgico devesse apresentar a mesma disposição e arranjo iniciais.

Diretor e idealizador do Instituto de Moléstias do Aparelho Digestivo da Gastroclínica de São Paulo, em 1949. Em 1991, a instituição teve seu nome alterado para Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, em homenagem ao Acadêmico. Atualmente, trata-se do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, por terem sido adicionadas aos seus serviços outras atividades e especialidades.

Fez parte de diversas associações, entre elas: Academia Paulista de Letras; Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, hoje, Academia de Medicina de São Paulo; Associação Paulista de Medicina; Sociedade de Biologia de São Paulo; Associação Médica do Instituto Penido Burnier de Campinas (Sócio Honorário); Sociedade Internacional de Cirurgia; Colégio Americano de Cirurgiões; Associação Argentina de Cirurgia (Sócio Titular) e Sociedade de Gastroenterologia de Nova York. Foi ainda Presidente do Colégio Internacional de Cirurgiões (1942) e Diretor do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional pelo Ministério da Educação e Cultura (1960).

Participou de dezenas congressos médicos, nacionais e internacionais, e teve diversos trabalhos e livros publicados. Entre os inúmeros prêmios e condecorações recebidas, pode-se destacar o Prêmio São Lucas da Academia de Medicina de São Paulo e a Medalha de Defesa da Saúde.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Síndrome de Má Absorção com Hepatomegalia (Familiar?)”.

Faleceu em 10 de novembro de 1990.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.