Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Em mais uma edição, Uma Tarde na Academia: Oficina Diagnóstica foi dedicada à Nefrologia

21/07/2016

A iniciativa Uma Tarde na Academia de Oficina Diagnóstica, em edição realizada no dia 21 de julho de 2016, contou com a presença dos organizadores Acadêmicos Carlos Basílio de Oliveira e José Manoel Jansen, do coordenador, Acad. Omar da Rosa Santos, e dos convidados: o apresentador Dr. André Gouvêa e o debatedor, Dr. Arthur Cortez, ambos participantes do Programa Jovens Lideranças Médicas da ANM.

O evento foi aberto pelo Presidente Francisco Sampaio, que em seguida passou a palavra para o Acad. José Manoel Jansen, fazendo a primeira apresentação do caso. Em se tratando de um caso ocorrido há mais de 33, o caso, trazido pelo Acad. Omar da Rosa Santos, tornou possível observar a evolução da Nefrologia, tendo em vista que o próprio diagnóstico mudou ao longo dos anos.

O Presidente Francisco Sampaio (ao centro) abre os trabalhos de mais uma Tarde na Academia, com os Acads. (à esquerda) Carlos Alberto Basílio, Omar da Rosa Santos e (à direita) José Manoel Jansen e José Galvão

O Dr. André Gouvêa, Médico do Hospital Universitário Gaffré Guinle, fez apresentação do caso clínico. Tratava-se de um caso de um homem de 30 anos, branco, natural e domiciliado no Rio de Janeiro, de boa condição socioeconômica e condições higiênicas de boa qualidade. Recebeu vacinas adequadamente ao longo da década de 1950 e negava uso de drogas ilícitas, uso continuado de medicamentos e antecedentes infecciosos. Praticou esportes até os 22 anos.

Admitido em julho de 1983 – com dois episódios anteriores de urina sanguinolenta (considerada então glomerulonefrite difuso-aguda). Fora também constatada hipertensão há um ano e possuía alta na pressão arterial. O paciente vinha apresentando fadiga há três meses; urina espumosa e com volume reduzido; edema progressivo (raio-X do tórax com derrame pleural nas bases). Também foi documentado episódio de urina tipo “Coca-Cola”, com exame de urina anormal ocorrido um mês antes. Constatou-se aumento peso corporal considerável (de 69 para 82 kg) nos últimos meses; quadro de cefaleia com escotomas ocasionais e episódios de artralgias nos quirodáctilos.

O Dr. André Gouvêa faz a apresentação clínica do caso

Dos exames apresentados, é possível destacar que o paciente apresentava:

– Palidez;

– Lucidez. Apresentava-se também cooperativo e orientado;

– Ausência de febre;

– Pele sem alterações, exceto por edemas;

– Pulsos universalmente presentes, com pressão arterial de 180×115 (hipertensão);

– Pescoço e fâneros normais;

– Tórax de conformação normal com abolição do murmúrio vesicular nas bases (raio-X confirmou derrame pleural);

– Abdome distendido com sinais de ascite; fígado a 2 cm do rebordo costal direito, indolor. Baço nos limites normais à percussão;

– Exame das cavidades orais normal;

– Exame neurológico sem alterações;

– Ausência de linfonodos palpáveis;

– Percussão lombar indolor; edema pré-sacro;

– Diurese das 24h iniciais 620ml com urina clara, turva e espumosa;

– Anêmico, com hematócrito a 29%, VSH48mm na 1º hora, leucometria normal;

– Glicose, ureia e creatinina plasmáticas, respectivamente, de 82, 67 e 2,5mg % (20 dias antes);

– Colesterol 290 e 345 mg% (exame há 3 meses e 20 dias); triglicerídeos 310 e 380 mg % (idem); bilirrubinas, eletrólitos, TGO, TGP e Gama GT normais (20 dias antes);

– Plaquetas 90000mm3;

– Proteínas totais 4,8 e 4g%, com albumina 2,2 e 1,7 g% (exame há 3 meses e 20 dias);

– T3, T4 e TSH normais;

– Proteinúria de 5,4 e 7,0g/24h (exame há 3 meses e 20 dias);

– EAS indicando franca hematúria microscopia, leucocitúria e cilindrúria.

Na evolução do caso, foram reduzidas as doses dos medicamentos de tratamento da hipertensão. Foi iniciado tratamento com predinisona com doses decrescentes ao longo do tempo e associada ao dipiridamol. O Prof. André Gouvêa chamou atenção para o fato de que, à época, acreditava-se em uma associação do nível plaquetário com a gênese das doenças. Além disso, foi observada uma redução de peso (de 82 para 72kg).

Apesar de uma melhora aparente nos primeiros seis meses, no 22º mês observou-se o retorno de um quadro de glomerulonefrite.

O paciente teve, então, uma mudança de domicílio (mudou-se para Buenos Aires) em maio de 1985. Após esse fato, foi noticiada a ocorrência de Trombose Venosa profunda (MIE) 1986; degradação da função Renal com HD regular em 1989 TR em 1991 (doador relacionado) – Rejeição do TR em 1993 – Retorno à HD.

O Dr. Arthur Cortez, Professor de Clínica Médica e Nutrologia da UniRio, debatedor do caso, iniciou sua palestra propondo um roteiro para a realização de diagnóstico diferencial para doenças glomerulares. Segundo o Professor, “quando não encontramos uma resposta satisfatória para uma questão difícil, nós tentamos perguntas um pouco mais fáceis”.

Dr. Arthur Cortez debate o caso

A partir dessa afirmativa, o Professor apresentou as características das doenças glomerulares, foram apresentados os sintomas mais comuns (identificados também no paciente em questão): edema, hematúria, cilindros hemáticos, hemácias dismórficas, lipidúria e proteinúria. Todavia, foi ressaltado que doenças tubulointersticiais podem levar a perda proteica indiretamente pela esclerose secundária de néfrons.

Em seguida, o Dr. Arthur Cortez buscou “desvendar” o padrão clínico-urinário do paciente, ressaltando que na maior parte dos casos o início das síndromes nefróticas é brando. Além disto, todas as causas de síndrome nefrótica podem apresentar proteinúria subnefrótica, indicando que as síndromes nefríticas e nefróticas possuem “pontos de interseção”, o que acaba dificultando um diagnóstico diferencial. Embora seja raro, afirmou que alguns pacientes têm mais de uma causa da doença glomerular. Pelo menos dois mecanismos podem estar envolvidos: a possibilidade de ocorrência duas doenças renais independentes; ou uma única doença, podem desencadear uma resposta imunitária que imita a apresentação de uma outra doença.

O diagnóstico final apresentado pelo Dr. Arthur Cortez foi baseado em informações encontradas no artigo do The New England Journal of Medicine, intitulado “Membranoproliferative Glomerulonephritis — A New Look at an Old Entity”. O Professor também discorreu sobre os métodos utilizados para a obtenção de diagnósticos, preconizando que o processo seletivo que visa simplificar raciocínios complexos sobre os diagnósticos (que preenchem os requisitos estabelecidos pela história clínica e exame físico) é conhecido como atalho heurístico. Os atalhos heurísticos dependem do conhecimento profundo da epidemiologia, da história natural das doenças e do conceito que os estereótipos em medicina não são absolutos em suas manifestações. Tendo em mente estas considerações, o diagnóstico diferencial apresentado para este paciente foi de glomerulonefrite pós-infecciosa, chamando atenção para a necessidade de diferenciá-la de doenças como a nefrite lúpica e a glomerulonefrite membrano-proliferativa.

Os Acads. Carlos Alberto Basílio, Omar da Rosa Santos, José Manoel Jansen e José Galvão coordenam os trabalhos da Oficina Diagnóstica

A discussão que se seguiu foi enriquecida pela diversidade do público presente – além de estudantes de medicina e de médicos praticantes de Clínica Médica, também estiveram presentes especialistas de diversas áreas, mantendo o “espírito” da Oficina Diagnóstica, de interação entre os profissionais e estudantes da área da saúde. Por fim, a Tarde na Academia mais uma vez foi encerrada pela análise histopatológica do Acad. Carlos Basílio de Oliveira.

Acadêmicos participam da discussão do caso apresentado

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.