Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

João da Costa Lima e Castro

Nasceu em 11 de junho de 1851, no município de Macaé, no Estado do Rio de Janeiro.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1878, defendendo tese intitulada “Operações reclamadas pelas retenções das urinas”.

Em 1882, o Imperador D. Pedro II enviou o trabalho intitulado “Da infecção purulenta e da infecção pútrida” do Dr. Lima e Castro, que se tratava de micróbios em cirurgia, para o Louis Pasteur, um grande cientista francês que fez descobertas tanto na área de química quanto na de medicina.

Foi um proeminente cirurgião e atuou como catedrático da Clínica Cirúrgica de adultos na segunda cadeira na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, entre o período de 1883 e 1914. Tornou-se redator da “Revista dos Cursos Práticos e Teóricos”, da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

No ano de 1890, juntamente com o médico e acadêmico Hilário de Gouvêa, desenvolveram dois projetos que tinham o acompanhamento teórico das ideias de Petternkofer e seu discípulo Soyka. Apresentaram para o novo ministro do Interior os projetos sobre redes de drenagem de lençol subterrâneo e “calçamento estanque”, com o intuito de atenuar a moléstia que assolava a população do país naquela época, a febre amarela.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1904. Sua cerimônia de posse ocorreu no mesmo ano de sua eleição, sob a presidência do Acad. Joaquim Pinto Portella.

Fez parte de conselhos e comissões examinadoras para magistério superior, sociedades e associações nacionais e internacionais, destacando-se como membro da Real Academia de Sciencias de Lisboa.

Como curiosidade, há que se ressaltar que o Dr. João da Costa Lima e Castro foi pai da primeira Miss Brasil da história, em 1900, Violeta Lima Castro, que nasceu em Paris, em 1879, e foi registrada no consulado brasileiro. Violeta falava e escrevia fluentemente três idiomas: português, francês e espanhol, além de falar e ler bem o inglês e o italiano. Era pintora, tinha uma voz excelente e tornou-se uma das mais célebres cantoras líricas do seu tempo. Atuou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, ia todos os anos à Europa, onde cantou nos principais países, e viveu 10 anos em Paris. Encerrou sua carreira artística em 1957.

Faleceu em 24 de junho de 1920, na cidade do Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 241

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 13/06/1904

Posse: 01/09/1904

Sob a presidência: Joaquim Pinto Portella

Saudado: Fernando Augusto Ribeiro de Magalhães

Falecimento: 24/06/1920

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 241

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 13/06/1904

Posse: 01/09/1904

Sob a presidência: Joaquim Pinto Portella

Saudado: Fernando Augusto Ribeiro de Magalhães

Falecimento: 24/06/1920

Nasceu em 11 de junho de 1851, no município de Macaé, no Estado do Rio de Janeiro.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1878, defendendo tese intitulada “Operações reclamadas pelas retenções das urinas”.

Em 1882, o Imperador D. Pedro II enviou o trabalho intitulado “Da infecção purulenta e da infecção pútrida” do Dr. Lima e Castro, que se tratava de micróbios em cirurgia, para o Louis Pasteur, um grande cientista francês que fez descobertas tanto na área de química quanto na de medicina.

Foi um proeminente cirurgião e atuou como catedrático da Clínica Cirúrgica de adultos na segunda cadeira na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, entre o período de 1883 e 1914. Tornou-se redator da “Revista dos Cursos Práticos e Teóricos”, da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

No ano de 1890, juntamente com o médico e acadêmico Hilário de Gouvêa, desenvolveram dois projetos que tinham o acompanhamento teórico das ideias de Petternkofer e seu discípulo Soyka. Apresentaram para o novo ministro do Interior os projetos sobre redes de drenagem de lençol subterrâneo e “calçamento estanque”, com o intuito de atenuar a moléstia que assolava a população do país naquela época, a febre amarela.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1904. Sua cerimônia de posse ocorreu no mesmo ano de sua eleição, sob a presidência do Acad. Joaquim Pinto Portella.

Fez parte de conselhos e comissões examinadoras para magistério superior, sociedades e associações nacionais e internacionais, destacando-se como membro da Real Academia de Sciencias de Lisboa.

Como curiosidade, há que se ressaltar que o Dr. João da Costa Lima e Castro foi pai da primeira Miss Brasil da história, em 1900, Violeta Lima Castro, que nasceu em Paris, em 1879, e foi registrada no consulado brasileiro. Violeta falava e escrevia fluentemente três idiomas: português, francês e espanhol, além de falar e ler bem o inglês e o italiano. Era pintora, tinha uma voz excelente e tornou-se uma das mais célebres cantoras líricas do seu tempo. Atuou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, ia todos os anos à Europa, onde cantou nos principais países, e viveu 10 anos em Paris. Encerrou sua carreira artística em 1957.

Faleceu em 24 de junho de 1920, na cidade do Rio de Janeiro.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.