Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Felipe Frederico Meyer

Dr. Felipe Frederico Meyer em 26 de junho de 1873, foi admitido como Membro Titular na Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Da moléstia de Graves”.

O Acadêmico Manoel Thomaz Coelho, foi escolhido relator e leu seu parecer, favorável, no expediente da sessão de 26 de junho de 1873, processando-se a eleição a seguir. A posse teve lugar em 9 de março de 1874, em sessão que teve a presidência do Acadêmico José Pereira Rêgo. Os Acadêmicos formados Fernando Francisco da Costa Ferraz e João Damasceno Peçanha da Silva acompanharam o novo titular ao recinto e o Acadêmico José Pereira Rego (Barão do Lavradio), Presidente da instituição naquele período, proferiu a aprovação.

Na sessão de 21 de julho de 1873 foi lida a aprovação imperial, datada de 15 de julho de 1873.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 114

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 26/06/1873

Posse: 09/03/1874

Sob a presidência: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Saudado: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 114

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 26/06/1873

Posse: 09/03/1874

Sob a presidência: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Saudado: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Dr. Felipe Frederico Meyer em 26 de junho de 1873, foi admitido como Membro Titular na Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Da moléstia de Graves”.

O Acadêmico Manoel Thomaz Coelho, foi escolhido relator e leu seu parecer, favorável, no expediente da sessão de 26 de junho de 1873, processando-se a eleição a seguir. A posse teve lugar em 9 de março de 1874, em sessão que teve a presidência do Acadêmico José Pereira Rêgo. Os Acadêmicos formados Fernando Francisco da Costa Ferraz e João Damasceno Peçanha da Silva acompanharam o novo titular ao recinto e o Acadêmico José Pereira Rego (Barão do Lavradio), Presidente da instituição naquele período, proferiu a aprovação.

Na sessão de 21 de julho de 1873 foi lida a aprovação imperial, datada de 15 de julho de 1873.