Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Francisco Marques de Araújo Góes

Nasceu em 1837, na cidade de Santo Amaro (da Purificação), no Estado da Bahia. Filho de Inocêncio Marques de Araújo Góes, Barão de Araújo Góes e de Maria Francisca de Abreu Calmon du Pin. Era irmão de Antônio Calmon de Araújo Góes, 1º Barão de Camaçari.

Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1861, defendendo a tese intitulada “Qual a natureza da febre puerperal?”.

Foi membro da “Inspectoria Geral de Hygiene”, comissionado para ir à cidade de Santos, em São Paulo, tratar de doentes de acometidos de febre amarela, com seus auxiliares Drs. Virgílio de Araújo Cunha, Euphrasio José da Cunha e Francisco Custodio Pereira de Barros.

Trabalhou durante três anos no Laboratório de Fisiologia Experimental, que foi criado, em 1880, anexo ao Museu Imperial e Nacional, investigando a natureza e causa da tuberculose e da febre amarela.

Atuou como lente de História Natural do Imperial Colégio D. Pedro II.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1885, apresentando a memória intitulada “Anúria em febre amarela”.

Integrou a Comissão Técnica presente na Convenção Sanitária de 1887, realizada pelo Império do Brasil e pelas repúblicas da Argentina e do Uruguai, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro. A comitiva brasileira foi formada por três médicos designados pelo governo, sendo eles os doutores Nuno de Andrade, Francisco Marques de Araújo Góes e João Baptista de Lacerda.

Araújo Góes e Lacerda trabalharam juntos em diversos experimentos, especialmente nas pesquisas envolvendo a febre amarela. Esses especialistas faziam parte da primeira geração de médicos no Brasil a se destacar na ciência dos micróbios.

Recebeu as condecorações de Cavaleiro da Ordem da Rosa e da Ordem Portuguesa de Cristo.

Faleceu em 27 de fevereiro 1905.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 143

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 21/07/1885

Posse: 21/07/1885

Sob a presidência: Agostinho José de Souza Lima

Falecimento: 27/02/1905

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 143

Cadeira: -

Membro: Titular

Secção:

Eleição: 21/07/1885

Posse: 21/07/1885

Sob a presidência: Agostinho José de Souza Lima

Falecimento: 27/02/1905

Nasceu em 1837, na cidade de Santo Amaro (da Purificação), no Estado da Bahia. Filho de Inocêncio Marques de Araújo Góes, Barão de Araújo Góes e de Maria Francisca de Abreu Calmon du Pin. Era irmão de Antônio Calmon de Araújo Góes, 1º Barão de Camaçari.

Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1861, defendendo a tese intitulada “Qual a natureza da febre puerperal?”.

Foi membro da “Inspectoria Geral de Hygiene”, comissionado para ir à cidade de Santos, em São Paulo, tratar de doentes de acometidos de febre amarela, com seus auxiliares Drs. Virgílio de Araújo Cunha, Euphrasio José da Cunha e Francisco Custodio Pereira de Barros.

Trabalhou durante três anos no Laboratório de Fisiologia Experimental, que foi criado, em 1880, anexo ao Museu Imperial e Nacional, investigando a natureza e causa da tuberculose e da febre amarela.

Atuou como lente de História Natural do Imperial Colégio D. Pedro II.

Eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1885, apresentando a memória intitulada “Anúria em febre amarela”.

Integrou a Comissão Técnica presente na Convenção Sanitária de 1887, realizada pelo Império do Brasil e pelas repúblicas da Argentina e do Uruguai, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro. A comitiva brasileira foi formada por três médicos designados pelo governo, sendo eles os doutores Nuno de Andrade, Francisco Marques de Araújo Góes e João Baptista de Lacerda.

Araújo Góes e Lacerda trabalharam juntos em diversos experimentos, especialmente nas pesquisas envolvendo a febre amarela. Esses especialistas faziam parte da primeira geração de médicos no Brasil a se destacar na ciência dos micróbios.

Recebeu as condecorações de Cavaleiro da Ordem da Rosa e da Ordem Portuguesa de Cristo.

Faleceu em 27 de fevereiro 1905.