Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

João Peregrino da Rocha Fagundes Júnior

Nasceu em Natal, RN, em 12 de março de 1898. Filho de João Peregrino da Rocha Fagundes e Cornélia Seabra Fagundes.

Formado em medicina pela Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil (1929).

Foi o primeiro norte-rio-grandense a assumir a presidência da Academia Brasileira de Letras, em duas oportunidades (1956 e 1957), fato inédito neste século.

Oriundo de uma família ilustre em que se destacam os irmãos Miguel Seabra Fagundes, ex-ministro da Justiça, e Umberto Peregrino, militar, médico e escritor.

Peregrino Júnior desenvolveu duas carreiras profissionais: as ciências médicas e as letras. Esta última, ele iniciou ainda no RN, tendo fundado em Nova Cruz o jornal “O Independente”. Colaborou, depois, na “Gazeta de Natal”, “O Libertador” e “Jornal da Manhã” em Natal. Após uma temporada em Belém, onde faz jornalismo, viaja ao Rio e aí se forma pela Faculdade de Medicina, em 1929. No Rio colabora em diversos jornais e revistas de circulação nacional. Como médico, foi fundador e diretor do Serviço de Endocrinologia da Policlínica Geral do RJ, docente de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Rio e da Faculdade Fluminense de Medicina. Foi depois professor catedrático de Biometria da Universidade do Brasil, professor emérito da Universidade Federal do RJ e membro titular da Academia Nacional de Medicina. Foi ainda presidente da União Brasileira de Escritores, membro da Associação Nacional de Imprensa e do Conselho Federal de Educação.

Publicou cerca de cinquenta livros, na área de medicina e literatura, com temas que variam entre stress e patologias a estilos literários e Movimento Modernista. Deixou ainda uma obra literária inspirada nos mitos e lendas amazônicos, onde sobressaem, pioneiramente a fala e os costumes locais. Pertenceu à ANL e ao IHGRGN.

Recebeu condecorações do Chile, Bolívia, Equador, Portugal, Noruega, Síria, Estados Unidos (NY) e Finlândia, além do Brasil. (Nelson Patriota e Rejane Cardoso)

Faleceu em 23 de outubro de 1983, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 413

Cadeira: 16 - Érico Marinho da Gama Coelho

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 25/11/1954

Posse: 23/06/1955

Sob a presidência: Álvaro Cumplido de Sant’Anna

Saudado: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Emerência: 10/07/1980

Antecessor: Luiz Amadeu Capriglione

Falecimento: 23/10/1983

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 413

Cadeira: 16 - Érico Marinho da Gama Coelho

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 25/11/1954

Posse: 23/06/1955

Sob a presidência: Álvaro Cumplido de Sant’Anna

Saudado: Inaldo de Lyra Neves-Manta

Emerência: 10/07/1980

Antecessor: Luiz Amadeu Capriglione

Falecimento: 23/10/1983

Nasceu em Natal, RN, em 12 de março de 1898. Filho de João Peregrino da Rocha Fagundes e Cornélia Seabra Fagundes.

Formado em medicina pela Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil (1929).

Foi o primeiro norte-rio-grandense a assumir a presidência da Academia Brasileira de Letras, em duas oportunidades (1956 e 1957), fato inédito neste século.

Oriundo de uma família ilustre em que se destacam os irmãos Miguel Seabra Fagundes, ex-ministro da Justiça, e Umberto Peregrino, militar, médico e escritor.

Peregrino Júnior desenvolveu duas carreiras profissionais: as ciências médicas e as letras. Esta última, ele iniciou ainda no RN, tendo fundado em Nova Cruz o jornal “O Independente”. Colaborou, depois, na “Gazeta de Natal”, “O Libertador” e “Jornal da Manhã” em Natal. Após uma temporada em Belém, onde faz jornalismo, viaja ao Rio e aí se forma pela Faculdade de Medicina, em 1929. No Rio colabora em diversos jornais e revistas de circulação nacional. Como médico, foi fundador e diretor do Serviço de Endocrinologia da Policlínica Geral do RJ, docente de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Rio e da Faculdade Fluminense de Medicina. Foi depois professor catedrático de Biometria da Universidade do Brasil, professor emérito da Universidade Federal do RJ e membro titular da Academia Nacional de Medicina. Foi ainda presidente da União Brasileira de Escritores, membro da Associação Nacional de Imprensa e do Conselho Federal de Educação.

Publicou cerca de cinquenta livros, na área de medicina e literatura, com temas que variam entre stress e patologias a estilos literários e Movimento Modernista. Deixou ainda uma obra literária inspirada nos mitos e lendas amazônicos, onde sobressaem, pioneiramente a fala e os costumes locais. Pertenceu à ANL e ao IHGRGN.

Recebeu condecorações do Chile, Bolívia, Equador, Portugal, Noruega, Síria, Estados Unidos (NY) e Finlândia, além do Brasil. (Nelson Patriota e Rejane Cardoso)

Faleceu em 23 de outubro de 1983, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).