Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Joaquim Antonio de Oliveira Botelho

Nasceu em 1862, no Estado da Bahia. Filho de Joaquim Antônio de Oliveira Botelho.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Dedicando-se com afinco à sua profissão e assim aperfeiçoou os seus conhecimentos nos maiores centros científicos.

Foi o primeiro médico brasileiro a chefiar um serviço hospitalar nos Estados Unidos da América. Durante anos, serviu no Metropolitan Hospital, na América do Norte, chefiando o pavilhão de tuberculose, onde estabeleceu o uso de pneumotórax terapêutico. Ao deixar as funções de chefe, quatro médicos americanos lhe consagraram os feitos escrevendo um livro sobre a sua atividade profissional.

No Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, introduziu a operação do pneumotórax artificial no tratamento da tuberculose pulmonar, e foi fundador do “Sanatório do Dr. Oliveira Botelho” onde fazia-se o tratamento dos pacientes com tuberculose.

Fundador da Cruz Vermelha Brasileira, regulou e estatuiu a sua finalidade, indo por conta própria a Berna, obter o seu conhecimento no Comité Internacional.

Introduziu na Suíça, na Bélgica e na Itália a operação do pneumotórax artificial. Vários dos seus numerosos trabalhos científicos se encontram traduzidos em línguas estrangeiras.

Foi membro de conselhos e comissões examinadoras para magistério superior, sociedades e associações nacionais e internacionais, tais como membro da Academia Médica de Gênova e do Instituto de Ciências Médicas do México.

Eleito Membro Titular na Academia Nacional de Medicina em 1897, apresentando a memória intitulada “Notas sobre a pneumocócica e seu tratamento”.

Fez jus, pelos seus serviços médicos, sendo assim premiado com medalhas de ouro em Paris e em Madri e, ainda recebeu menções honrosas de associações médicas em Bruxelas.

Faleceu em 3 de julho de 1948, na cidade do Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 174

Cadeira: 29 - Daniel de Oliveira Barros D’Almeida

Membro: Emérito

Secção: Cirurgia

Eleição: 30/07/1897

Posse: 06/08/1897

Sob a presidência: Agostinho José de Souza Lima

Emerência: 24/10/1940

Falecimento: 03/07/1948

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 174

Cadeira: 29 - Daniel de Oliveira Barros D’Almeida

Membro: Emérito

Secção: Cirurgia

Eleição: 30/07/1897

Posse: 06/08/1897

Sob a presidência: Agostinho José de Souza Lima

Emerência: 24/10/1940

Falecimento: 03/07/1948

Nasceu em 1862, no Estado da Bahia. Filho de Joaquim Antônio de Oliveira Botelho.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Dedicando-se com afinco à sua profissão e assim aperfeiçoou os seus conhecimentos nos maiores centros científicos.

Foi o primeiro médico brasileiro a chefiar um serviço hospitalar nos Estados Unidos da América. Durante anos, serviu no Metropolitan Hospital, na América do Norte, chefiando o pavilhão de tuberculose, onde estabeleceu o uso de pneumotórax terapêutico. Ao deixar as funções de chefe, quatro médicos americanos lhe consagraram os feitos escrevendo um livro sobre a sua atividade profissional.

No Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, introduziu a operação do pneumotórax artificial no tratamento da tuberculose pulmonar, e foi fundador do “Sanatório do Dr. Oliveira Botelho” onde fazia-se o tratamento dos pacientes com tuberculose.

Fundador da Cruz Vermelha Brasileira, regulou e estatuiu a sua finalidade, indo por conta própria a Berna, obter o seu conhecimento no Comité Internacional.

Introduziu na Suíça, na Bélgica e na Itália a operação do pneumotórax artificial. Vários dos seus numerosos trabalhos científicos se encontram traduzidos em línguas estrangeiras.

Foi membro de conselhos e comissões examinadoras para magistério superior, sociedades e associações nacionais e internacionais, tais como membro da Academia Médica de Gênova e do Instituto de Ciências Médicas do México.

Eleito Membro Titular na Academia Nacional de Medicina em 1897, apresentando a memória intitulada “Notas sobre a pneumocócica e seu tratamento”.

Fez jus, pelos seus serviços médicos, sendo assim premiado com medalhas de ouro em Paris e em Madri e, ainda recebeu menções honrosas de associações médicas em Bruxelas.

Faleceu em 3 de julho de 1948, na cidade do Rio de Janeiro.