Acadêmicos discutem Abdome Agudo e seus tratamentos em simpósio

Ex-Presidente Acad. Pietro Novellino, Presidente Acad. Francisco Sampaio, Acad. Octavio Pires Vaz e Acad. Celso Portela

Na última quinta-feira (28), a Academia Nacional de Medicina (ANM) apresentou o simpósio Abdome Agudo, organizado pelos Acadêmicos José Galvão-Alves e Octavio Pires Vaz. Sobre o assunto, os Acadêmicos afirmaram que essa é uma condição extremamente comum e exige uma boa avaliação clínica para obter o diagnóstico. 

O Acadêmico Octavio Vaz foi responsável pela primeira apresentação e última, encerrando o dia dedicado a área gastrointestinal. Na abertura o Acadêmico palestrou sobre o tema Abdome Agudo no Paciente Frágil, em que os idosos são o foco do tratamento e as escolhas que eles devem fazer nesse período, as doenças mais comuns, a dificuldade de um atendimento emergencial e os principais erros no diagnóstico.

Na finalização do simpósio, o Acadêmico apresentou o tema Colecistite Aguda, uma patologia que o cirurgião trata com extrema frequência e a maior prevalência dos casos está na mulher. Foram destacados os procedimentos cirúrgicos, as possíveis complicações que podem ocorrer no tratamento e com o tratamento tardio da doença.

A Colecistite Aguda também foi mencionada na apresentação seguinte, do Professor Antonio Eiras, sobre o tema A Imagem no Abdome Agudo , no qual foram apresentados diferentes casos clínicos identificados por meio do exame de imagem, como a tomografia computadorizada. Outras doenças citadas pelo Professor são a Pancreatite Aguda, Diverticulite e Apendicite Aguda, a principal causa de abdome agudo e pode ocorrer em qualquer faixa etária.

Fechando a primeira parte do simpósio, o Acadêmico Arno von Ristow apresentou o tema Abdome Agudo Vascular, explicando as principais diferenças entre o Abdome Agudo Isquêmico, que possui uma alta taxa de mortalidade e é mais frequente em mulheres , e o Abdome Agudo Hemorrágico, podendo ser traumático e responsável por 45% das mortes em adultos jovens — na faixa etária de 10 a 49 anos — ou não traumático. O Acadêmico explica os principais tratamentos para cada tipo, exemplificando-os com casos clínicos.

Acad. José Galvão-Alves em sua apresentação

A Pancreatite Aguda foi tema de duas palestras na segunda parte do simpósio, o intuito era abordar diferentes visões sobre essa doença inflamatória, que é a principal causa de admissão hospitalar por doença gastroenterológica nos Estados Unidos, possui uma indicação comum de hospitalização e com uma incidência maior em crianças, grávidas e idosos. O Acadêmico José Galvão-Alves apresentou a visão do clínico, explicando como é feita a avaliação e o diagnóstico, tendo sintomas como dor abdominal sugestiva, amilase ou lipase acima de três vezes o limite da normalidade, e achados compatíveis no exame de imagens. O Acadêmico aponta os possíveis tratamentos nesse caso e a importância de conversar com o paciente e a família.

Para abordar a visão cirúrgica, o Acadêmico Samir Rasslan mostra dados específicos sobre a incidência de casos no Brasil, comparando com os números dos Estados Unidos. O Acad. Samir exibe estudos sobre a Pancreatite Aguda Biliar e Coledocolitíase, o uso de Papilotomia Endoscopica para o tratamento inicial e de forma grave, e a intervenção cirúrgica, explicando as atualizações que oferecem um procedimento menos invasivo.

Para assistir o simpósio na íntegra, clique aqui e aqui.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.