Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EnglishPortuguêsEspañol

Pedro de Almeida Magalhães

O Dr. Pedro de Almeida Magalhães nasceu em Vassouras – Rio de Janeiro, no dia 27 de novembro de 1864, filho de João Paulo de Magalhães e de Lucilla Eugênia Teixeira de Magalhães.

Fez seus estudos preparatórios no Colégio Ateneu Fluminense, naquela cidade, e matriculou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1882, onde doutorou-se em Medicina em 1887, defendendo tese sobre “Amiotrofias de origem periférica”.  No ano seguinte, partiu para a Europa para completar seus estudos, onde permaneceu por três anos.

O Dr. Pedro de Almeida Magalhães candidatou-se a vaga de Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 15 de setembro de 1898, apresentando a memória intitulada: “Ruídos de sopros cardíacos no decurso da arterioesclerose generalizada”.

Médico e cientista, foi Professor de Patologia Interna e de Clínica Médica da Faculdade Nacional de Medicina. Fez o primeiro concurso para a Faculdade em 1902, sendo dispensado do segundo concurso pelas obras de mérito que apresentava.

Travou célebre polêmica com Acad. Miguel Couto, sobre a natureza do sopro na insuficiência aórtica, elevando a auscultação cardíaca às maiores minúcias exegéticas.

Publicou vários trabalhos, dentre eles “Estudos de Clínica Médica”, “Valor da percussão no diagnóstico dos aneurismas aórticos”, “O fígado e o baço na anquilostomíase”, e “Da revolução na terapêutica antiflogística”. Merece especial menção a monografia “O coração no beribéri”, ainda hoje considerada obra mestra da bibliografia nacional. Foi colaborador dos periódicos Brasil Médico, do Rio de Janeiro, e Revista Médica, de São Paulo.

A percussão da fosseta de Mohrenheim para o diagnóstico precoce da tuberculose, problema crítico premente na época, foi por ele estudado com afinco, tendo inspirado mais tarde a tese de um de seus discípulos, o Dr. Rodrigues Machado, intitulada “Sinal de Almeida Magalhães”.

O Acadêmico Pedro de Almeida Magalhães faleceu aos 44 anos, na cidade de Benjamim Constant em Minas Gerais, no dia 13 de fevereiro de 1909.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 193

Cadeira: 12 -

Cadeira homenageado: 12

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 17/11/1898

Posse: 06/04/1899

Sob a presidência: Antonio José Pereira da Silva Araújo

Saudado: Antonio José Pereira da Silva Araújo

Falecimento: 13/02/1909

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 193

Cadeira: 12 -

Cadeira homenageado: 12

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 17/11/1898

Posse: 06/04/1899

Sob a presidência: Antonio José Pereira da Silva Araújo

Saudado: Antonio José Pereira da Silva Araújo

Falecimento: 13/02/1909

O Dr. Pedro de Almeida Magalhães nasceu em Vassouras – Rio de Janeiro, no dia 27 de novembro de 1864, filho de João Paulo de Magalhães e de Lucilla Eugênia Teixeira de Magalhães.

Fez seus estudos preparatórios no Colégio Ateneu Fluminense, naquela cidade, e matriculou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1882, onde doutorou-se em Medicina em 1887, defendendo tese sobre “Amiotrofias de origem periférica”.  No ano seguinte, partiu para a Europa para completar seus estudos, onde permaneceu por três anos.

O Dr. Pedro de Almeida Magalhães candidatou-se a vaga de Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 15 de setembro de 1898, apresentando a memória intitulada: “Ruídos de sopros cardíacos no decurso da arterioesclerose generalizada”.

Médico e cientista, foi Professor de Patologia Interna e de Clínica Médica da Faculdade Nacional de Medicina. Fez o primeiro concurso para a Faculdade em 1902, sendo dispensado do segundo concurso pelas obras de mérito que apresentava.

Travou célebre polêmica com Acad. Miguel Couto, sobre a natureza do sopro na insuficiência aórtica, elevando a auscultação cardíaca às maiores minúcias exegéticas.

Publicou vários trabalhos, dentre eles “Estudos de Clínica Médica”, “Valor da percussão no diagnóstico dos aneurismas aórticos”, “O fígado e o baço na anquilostomíase”, e “Da revolução na terapêutica antiflogística”. Merece especial menção a monografia “O coração no beribéri”, ainda hoje considerada obra mestra da bibliografia nacional. Foi colaborador dos periódicos Brasil Médico, do Rio de Janeiro, e Revista Médica, de São Paulo.

A percussão da fosseta de Mohrenheim para o diagnóstico precoce da tuberculose, problema crítico premente na época, foi por ele estudado com afinco, tendo inspirado mais tarde a tese de um de seus discípulos, o Dr. Rodrigues Machado, intitulada “Sinal de Almeida Magalhães”.

O Acadêmico Pedro de Almeida Magalhães faleceu aos 44 anos, na cidade de Benjamim Constant em Minas Gerais, no dia 13 de fevereiro de 1909.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.