Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Domingos de Almeida Martins Costa

Nasceu em 15 de julho de 1851, em Vila do Brejo dos Anapurus, no Estado do Maranhão. Filho de Luiz de Almeida Martins e D. Justina Teixeira de Almeida.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1875, defendendo a tese “O Valor dos Investimentos Termonéticos no Diagnóstico, Prognóstico e Tratamento das Pirexias que reinam no Rio de Janeiro”.

Ainda estudante de medicina, escreveu o trabalho “Piogenia” no qual foi apresentado à Academia Imperial de Medicina e com essa memória foi eleito Membro Titular em 1876. Durante o período em que esteve na instituição exerceu os cargos de Bibliotecário (1885-1886), Vice-Presidente (1889-1890) e Presidente da Secção de Medicina (1890-1891).

Na excelente secção “Nossos Clássicos”, organizada pelo Prof. Pedro Nava na revista Brasil-Médico, escreveu capítulo sobre “Anomalias ou Lesões Congênitas do Coração”, tirado do “Tratado das Moléstias do Coração e dos Grossos Vasos Arteriais”. Neste trabalho, Dr. Martins Costa demonstra seus profundos conhecimentos da semiologia, patologia e clínica das afecções cárdio-arteriais.

Publicou também “A Malária e suas Diversas Modalidades Clínicas” que constituiu um trabalho de valor, destacando-se pela perenidade e valor duradouro, os dois capítulos versando a história da malária e sua distribuição geográfica nas várias províncias do império do Brasil.

Fundou junto com os demais colegas, a Policlínica Geral do Rio de Janeiro em 1881 e no ano seguinte passou a chefiar o Serviço de Moléstias do Sistema Nervoso. Através de concurso, conquistou em 1882 a 2ª Cadeira de Clínica Médica, da Faculdade Nacional de Medicina.

Foi um dos fundadores da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e pode-se afirmar que sua carreira está intimamente ligada à história da nossa malariologia, de nossa neurologia e nossa cardiologia.

Faleceu em 2 de abril de 1891, em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 118

Cadeira: 06 - Manoel de Valladão Pimentel (Barão de Petrópolis)

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 07/08/1876

Posse: 07/08/1876

Sob a presidência: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecimento: 02/04/1891

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 118

Cadeira: 06 - Manoel de Valladão Pimentel (Barão de Petrópolis)

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 07/08/1876

Posse: 07/08/1876

Sob a presidência: José Pereira Rego (Barão do Lavradio)

Falecimento: 02/04/1891

Nasceu em 15 de julho de 1851, em Vila do Brejo dos Anapurus, no Estado do Maranhão. Filho de Luiz de Almeida Martins e D. Justina Teixeira de Almeida.

Doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1875, defendendo a tese “O Valor dos Investimentos Termonéticos no Diagnóstico, Prognóstico e Tratamento das Pirexias que reinam no Rio de Janeiro”.

Ainda estudante de medicina, escreveu o trabalho “Piogenia” no qual foi apresentado à Academia Imperial de Medicina e com essa memória foi eleito Membro Titular em 1876. Durante o período em que esteve na instituição exerceu os cargos de Bibliotecário (1885-1886), Vice-Presidente (1889-1890) e Presidente da Secção de Medicina (1890-1891).

Na excelente secção “Nossos Clássicos”, organizada pelo Prof. Pedro Nava na revista Brasil-Médico, escreveu capítulo sobre “Anomalias ou Lesões Congênitas do Coração”, tirado do “Tratado das Moléstias do Coração e dos Grossos Vasos Arteriais”. Neste trabalho, Dr. Martins Costa demonstra seus profundos conhecimentos da semiologia, patologia e clínica das afecções cárdio-arteriais.

Publicou também “A Malária e suas Diversas Modalidades Clínicas” que constituiu um trabalho de valor, destacando-se pela perenidade e valor duradouro, os dois capítulos versando a história da malária e sua distribuição geográfica nas várias províncias do império do Brasil.

Fundou junto com os demais colegas, a Policlínica Geral do Rio de Janeiro em 1881 e no ano seguinte passou a chefiar o Serviço de Moléstias do Sistema Nervoso. Através de concurso, conquistou em 1882 a 2ª Cadeira de Clínica Médica, da Faculdade Nacional de Medicina.

Foi um dos fundadores da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e pode-se afirmar que sua carreira está intimamente ligada à história da nossa malariologia, de nossa neurologia e nossa cardiologia.

Faleceu em 2 de abril de 1891, em Petrópolis, no Rio de Janeiro.