Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Jayme Pecegueiro Gomes da Cruz

Nasceu em 10 de agosto de 1906, no Rio de Janeiro (RJ).

Filho de José Gomes da Cruz e Georgia Pecegueiro da Cruz.

Graduou-se em 1926 pela Escola de Farmácia anexa à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, atual Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Professor da Cadeira de Botânica Aplicada à Farmácia da Escola de Medicina e Cirurgia (1930), Docente livre da Cadeira de Farmacognosia da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1946) e Catedrático de Farmacognosia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Rio de Janeiro (1959). Foi ainda Diretor da Faculdade de Farmácia da UFRJ (1968 a 1974).

Foi Chefe do Departamento de Farmacognosia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e contribuiu para a organização do Centro de Pesquisas de Produtos Naturais da instituição, no Campus da Praia Vermelha (1963).

Fez parte também de diversas instituições científicas, entre elas a Associação Brasileira de Farmacêuticos (1927), onde atuou como Secretário Geral (1939 a 1940), o Conselho Regional de Farmácia da Guanabara, como Tesoureiro (1963), e a Academia Nacional de Farmácia (1937), instituição da qual foi fundador.

Atuou como Redator Técnico da Revista de Flora Medicinal (1935), onde publicou dezenas de artigos, como Proteção às plantas medicinais e Botânica Sistemática, pela Revista Flora Medicinal. Publicou também diversas teses e trabalhos científicos.

Participou de congressos, simpósios e mesas redondas, nacionais e internacionais, e recebeu diversos prêmios, como o Prêmio São Lucas pela Academia Nacional de Medicina, por dois anos (1930 e 1932).

Patrono da Cadeira nº 10 da Academia Brasileira de Farmácia Militar e da Cadeira nº 59 da Academia Nacional de Farmácia.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Contribuição para o conhecimento da medicina ameríndia”.

Faleceu em 27 de maio de 1983.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 489

Cadeira: 92 - Isaac Werneck da Silva Santos

Membro: Titular

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 06/06/1974

Posse: 22/08/1974

Sob a presidência: Deolindo Augusto de Nunes Couto

Antecessor: Abel Elias de Oliveira

Falecimento: 27/05/1983

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 489

Cadeira: 92 - Isaac Werneck da Silva Santos

Membro: Titular

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 06/06/1974

Posse: 22/08/1974

Sob a presidência: Deolindo Augusto de Nunes Couto

Antecessor: Abel Elias de Oliveira

Falecimento: 27/05/1983

Nasceu em 10 de agosto de 1906, no Rio de Janeiro (RJ).

Filho de José Gomes da Cruz e Georgia Pecegueiro da Cruz.

Graduou-se em 1926 pela Escola de Farmácia anexa à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, atual Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Professor da Cadeira de Botânica Aplicada à Farmácia da Escola de Medicina e Cirurgia (1930), Docente livre da Cadeira de Farmacognosia da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1946) e Catedrático de Farmacognosia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Rio de Janeiro (1959). Foi ainda Diretor da Faculdade de Farmácia da UFRJ (1968 a 1974).

Foi Chefe do Departamento de Farmacognosia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e contribuiu para a organização do Centro de Pesquisas de Produtos Naturais da instituição, no Campus da Praia Vermelha (1963).

Fez parte também de diversas instituições científicas, entre elas a Associação Brasileira de Farmacêuticos (1927), onde atuou como Secretário Geral (1939 a 1940), o Conselho Regional de Farmácia da Guanabara, como Tesoureiro (1963), e a Academia Nacional de Farmácia (1937), instituição da qual foi fundador.

Atuou como Redator Técnico da Revista de Flora Medicinal (1935), onde publicou dezenas de artigos, como Proteção às plantas medicinais e Botânica Sistemática, pela Revista Flora Medicinal. Publicou também diversas teses e trabalhos científicos.

Participou de congressos, simpósios e mesas redondas, nacionais e internacionais, e recebeu diversos prêmios, como o Prêmio São Lucas pela Academia Nacional de Medicina, por dois anos (1930 e 1932).

Patrono da Cadeira nº 10 da Academia Brasileira de Farmácia Militar e da Cadeira nº 59 da Academia Nacional de Farmácia.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Contribuição para o conhecimento da medicina ameríndia”.

Faleceu em 27 de maio de 1983.