Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Oswino Álvares Penna

Nasceu em 30 de maio de 1888, na cidade de Uruguaiana, Rio Grande do Sul. Filho de Joaquim da Silva Penna e de D. Adozinda Álvares da Silva Penna.

Doutorou-se em 1911, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro defendendo a tese intitulada “Hérnias inguinais do grosso intestino”.

Médico da Marinha, um ano depois partiu para Europa, a fim de aperfeiçoar os seus conhecimentos no Instituto Pasteur em Paris. Voltando um ano e meio depois, matriculava-se nos cursos de Microbiologia e Zoologia do Instituto de Manguinhos, onde sua atuação foi sempre marcante e atuou como médico-assistente no Laboratório de Anatomia Patológica e Microscopia.

Integrou a equipe de cientistas que realizou as viagens promovidas pelo Instituto Oswaldo Cruz e chefiados por Adolfo Lutz e Astrogildo Machado os cientistas exploraram a região do São Francisco, de Pirapora (MG) a Juazeiro (BA) com o intuito estudar mais sobre as doenças que assolavam a população como a malária, febre amarela, disenteria, doença de Chagas, tifo, sífilis e ancilostomíase eram algumas das doenças diagnosticas pelos sanitaristas que percorreram o estado nesse período.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1925, com a memória “Hemangioma cavernoso da mama”. Durante o período que esteve na instituição atuou como Diretor do Museu (1934-1935) (1935-1936). Em 1958 tornou-se Membro Emérito.

Trabalhou no Departamento Nacional de Medicina Experimental em 1932, foi Diretor de Higiene e Assistência Social na antiga Prefeitura do Distrito Federal. Criou o Laboratório de Produtos Farmacêuticos impondo-se, principalmente, pela qualidade dos produtos fornecidos.

Sua atuação como docente destaca-se o cargo de professor catedrático de Anatomia Patológica da Faculdade Fluminense de Medicina em 1934, também chefiou e organizou o Departamento de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina em Belo Horizonte.

Em 1940, foi designado para realizar estudos e pesquisas científicas no estado do Rio de Janeiro sobre anatomia patológica em cooperação com o Departamento de Saúde e Criminologia do Estado. De 1943 a 1949, trabalhou em anatomia e fisiologia patológica das neoplasmas no Serviço Nacional do Câncer. Após este período, foi designado para acompanhar os serviços de anatomia patológica nos hospitais da Santa Casa de Misericórdia.

Faleceu em 5 de janeiro de 1963, na cidade do Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 302

Cadeira: 86 - Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas

Membro: Emérito

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 01/10/1925

Posse: 05/11/1925

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Saudado: Octávio de Souza

Emerência: 04/12/1958

Antecessor: Ernesto Nascimento Silva

Falecimento: 05/01/1963

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 302

Cadeira: 86 - Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas

Membro: Emérito

Secção: Ciencias aplicadas à Medicina

Eleição: 01/10/1925

Posse: 05/11/1925

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Saudado: Octávio de Souza

Emerência: 04/12/1958

Antecessor: Ernesto Nascimento Silva

Falecimento: 05/01/1963

Nasceu em 30 de maio de 1888, na cidade de Uruguaiana, Rio Grande do Sul. Filho de Joaquim da Silva Penna e de D. Adozinda Álvares da Silva Penna.

Doutorou-se em 1911, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro defendendo a tese intitulada “Hérnias inguinais do grosso intestino”.

Médico da Marinha, um ano depois partiu para Europa, a fim de aperfeiçoar os seus conhecimentos no Instituto Pasteur em Paris. Voltando um ano e meio depois, matriculava-se nos cursos de Microbiologia e Zoologia do Instituto de Manguinhos, onde sua atuação foi sempre marcante e atuou como médico-assistente no Laboratório de Anatomia Patológica e Microscopia.

Integrou a equipe de cientistas que realizou as viagens promovidas pelo Instituto Oswaldo Cruz e chefiados por Adolfo Lutz e Astrogildo Machado os cientistas exploraram a região do São Francisco, de Pirapora (MG) a Juazeiro (BA) com o intuito estudar mais sobre as doenças que assolavam a população como a malária, febre amarela, disenteria, doença de Chagas, tifo, sífilis e ancilostomíase eram algumas das doenças diagnosticas pelos sanitaristas que percorreram o estado nesse período.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1925, com a memória “Hemangioma cavernoso da mama”. Durante o período que esteve na instituição atuou como Diretor do Museu (1934-1935) (1935-1936). Em 1958 tornou-se Membro Emérito.

Trabalhou no Departamento Nacional de Medicina Experimental em 1932, foi Diretor de Higiene e Assistência Social na antiga Prefeitura do Distrito Federal. Criou o Laboratório de Produtos Farmacêuticos impondo-se, principalmente, pela qualidade dos produtos fornecidos.

Sua atuação como docente destaca-se o cargo de professor catedrático de Anatomia Patológica da Faculdade Fluminense de Medicina em 1934, também chefiou e organizou o Departamento de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina em Belo Horizonte.

Em 1940, foi designado para realizar estudos e pesquisas científicas no estado do Rio de Janeiro sobre anatomia patológica em cooperação com o Departamento de Saúde e Criminologia do Estado. De 1943 a 1949, trabalhou em anatomia e fisiologia patológica das neoplasmas no Serviço Nacional do Câncer. Após este período, foi designado para acompanhar os serviços de anatomia patológica nos hospitais da Santa Casa de Misericórdia.

Faleceu em 5 de janeiro de 1963, na cidade do Rio de Janeiro.