Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Theóphilo de Almeida Torres

Nasceu em 12 de março de 1863, na cidade Macaé, no Estado do Rio de Janeiro. Filho de Benedicto de Almeida Torres.

Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1886, defendendo a tese intitulada “Estudo clínico da diátese fibrosa”.

Eleito para vaga de Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1894, apresentando a memória intitulada “Valor semeiótico do eritema-estudo clínico”. Durante o período em que esteve na instituição, exerceu os cargos de Secretário da Secção Médica (1895-1896), Presidente da Secção Terapêutica (1896-1897), Vice-Presidente (1912-1913) e Presidente da Secção de Medicina Especializada (1920-1921).

Nomeado para chefiar a Comissão de Profilaxia da Febre Amarela em Manaus, em 1913, apresentou ao Diretor Geral de Saúde Pública os projetos a serem realizados em Manaus. A estratégia de Torres foi realizar as ações a um só tempo, os serviços deveriam se iniciar simultaneamente e com a maior intensidade possível, para não dar tempo da doença se reproduzir. A ideia era que o início fosse de grande impacto para depois poder se administrar o trabalho realizado.

Em entrevista à Folha do Amazonas no final da campanha, definiu a profilaxia da febre amarela em Manaus, como sendo de “ataque aos focos existentes da moléstia e nas providencias necessárias para impedir a constituição de novos focos”. Para isto foram realizadas duas formas de trabalho: “o expurgo e a polícia de focos, em terra e no rio. ”

Os números da doença eram favoráveis à Comissão, pois no mês de agosto de 1903, quando se iniciaram os trabalhos, foram cinco casos com quatro fatais. Em setembro ocorreu somente um caso, um italiano que logo se restabeleceu; em outubro foi um caso, outro italiano que faleceu e depois deste, não houve mais nenhum outro registro. Na data da entrevista, completavam 88 dias sem novos casos de febre amarela em Manaus, podendo-se considerar, portanto, que a doença estava extinta.

Atuou também como chefe da inspetoria de fiscalização do Exercício da Medicina, Pharmacia, Arte dentária e Obstetrícia.

Faleceu em 30 de maio de 1928, na cidade do Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 166

Cadeira: 58 - Aloysio de Castro

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 14/06/1894

Posse: 06/09/1894

Sob a presidência: João Baptista de Lacerda

Falecimento: 30/05/1928

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 166

Cadeira: 58 - Aloysio de Castro

Membro: Titular

Secção: Medicina

Eleição: 14/06/1894

Posse: 06/09/1894

Sob a presidência: João Baptista de Lacerda

Falecimento: 30/05/1928

Nasceu em 12 de março de 1863, na cidade Macaé, no Estado do Rio de Janeiro. Filho de Benedicto de Almeida Torres.

Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1886, defendendo a tese intitulada “Estudo clínico da diátese fibrosa”.

Eleito para vaga de Membro Titular da Academia Nacional de Medicina em 1894, apresentando a memória intitulada “Valor semeiótico do eritema-estudo clínico”. Durante o período em que esteve na instituição, exerceu os cargos de Secretário da Secção Médica (1895-1896), Presidente da Secção Terapêutica (1896-1897), Vice-Presidente (1912-1913) e Presidente da Secção de Medicina Especializada (1920-1921).

Nomeado para chefiar a Comissão de Profilaxia da Febre Amarela em Manaus, em 1913, apresentou ao Diretor Geral de Saúde Pública os projetos a serem realizados em Manaus. A estratégia de Torres foi realizar as ações a um só tempo, os serviços deveriam se iniciar simultaneamente e com a maior intensidade possível, para não dar tempo da doença se reproduzir. A ideia era que o início fosse de grande impacto para depois poder se administrar o trabalho realizado.

Em entrevista à Folha do Amazonas no final da campanha, definiu a profilaxia da febre amarela em Manaus, como sendo de “ataque aos focos existentes da moléstia e nas providencias necessárias para impedir a constituição de novos focos”. Para isto foram realizadas duas formas de trabalho: “o expurgo e a polícia de focos, em terra e no rio. ”

Os números da doença eram favoráveis à Comissão, pois no mês de agosto de 1903, quando se iniciaram os trabalhos, foram cinco casos com quatro fatais. Em setembro ocorreu somente um caso, um italiano que logo se restabeleceu; em outubro foi um caso, outro italiano que faleceu e depois deste, não houve mais nenhum outro registro. Na data da entrevista, completavam 88 dias sem novos casos de febre amarela em Manaus, podendo-se considerar, portanto, que a doença estava extinta.

Atuou também como chefe da inspetoria de fiscalização do Exercício da Medicina, Pharmacia, Arte dentária e Obstetrícia.

Faleceu em 30 de maio de 1928, na cidade do Rio de Janeiro.