Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Waldemiro Pires Ferreira

Nasceu em 11 de novembro de 1892, na cidade de Souza, Paraíba. Nono filho do casal Lindolfo Pires Ferreira e Maria Leopoldina Pires Ferreira.

Doutorou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1917, defendendo a tese intitulada “Os estáveis”. Após formar-se, passou a clinicar em sua cidade natal e na cidade vizinha de Cajazeira, no estado da Paraíba.

Almejando dar continuidade a sua vida médica acadêmica, retornou a antiga capital, Rio de Janeiro, e passou a clinicar em um consultório localizado na Rua Debret, nº79 onde clinicou por mais de 40 anos.

Em 1930 foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Sífilis dos núcleos de base”.

Exerceu diversos cargos em sua área como na Divisão de Assistência a Psicopatas em 1937, como diretor do Hospital Juliano Moreira, diretor do Hospital Neuropsiquiátrico Infantil do Engenho de Dentro e diretor do Departamento de Doenças Mentais do Ministério da Educação e Saúde.

Atuou também como chefe do Serviço de Sífilis Nervosa e Neurobiologia da Fundação Gaffré e Guinle e no Serviço de Assistência a seis mestrandas Casa de Oswaldo Cruz – COC/Fiocruz Agência financiadora: Fiocruz Psicopatas em 1936. Foi professor catedrático de Neurologia Emérito e Jubilado da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Escreveu cerca de 400 volumes dos quais ele doou para sua cidade natal, Souza (PB) e deixou cerca de 529 volumes em sua biblioteca particular de medicina para a Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Paraíba.

Dr. Waldemiro Pires pode ser considerado como um dos maiores idealizadores e defensores da malarioterapia na cidade do Rio de Janeiro e no Brasil. Suas análises através de seus livros e de seus artigos, como por exemplo, “Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria” e nos “Archivos da Fundação Gaffrée e Guinle” mostram que os cientistas da malarioterapia adaptaram as técnicas europeias para a realidade de seu país e assim expandiram o seu conhecimento em torno da temática.

Em sua homenagem recebeu o título de Patrono da Cadeira nº 39 na Academia Paraibana de Medicina.

Faleceu em 31 de agosto de 1977, na cidade do Rio de Janeiro.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 336

Cadeira: 49 - Enjolras Vampré

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 31/07/1930

Posse: 13/11/1930

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Saudado: Henrique de Brito Belford Roxo

Emerência: 24/07/1958

Antecessor: Leonel Justiniano da Rocha

Falecimento: 31/08/1977

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 336

Cadeira: 49 - Enjolras Vampré

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 31/07/1930

Posse: 13/11/1930

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Saudado: Henrique de Brito Belford Roxo

Emerência: 24/07/1958

Antecessor: Leonel Justiniano da Rocha

Falecimento: 31/08/1977

Nasceu em 11 de novembro de 1892, na cidade de Souza, Paraíba. Nono filho do casal Lindolfo Pires Ferreira e Maria Leopoldina Pires Ferreira.

Doutorou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1917, defendendo a tese intitulada “Os estáveis”. Após formar-se, passou a clinicar em sua cidade natal e na cidade vizinha de Cajazeira, no estado da Paraíba.

Almejando dar continuidade a sua vida médica acadêmica, retornou a antiga capital, Rio de Janeiro, e passou a clinicar em um consultório localizado na Rua Debret, nº79 onde clinicou por mais de 40 anos.

Em 1930 foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Sífilis dos núcleos de base”.

Exerceu diversos cargos em sua área como na Divisão de Assistência a Psicopatas em 1937, como diretor do Hospital Juliano Moreira, diretor do Hospital Neuropsiquiátrico Infantil do Engenho de Dentro e diretor do Departamento de Doenças Mentais do Ministério da Educação e Saúde.

Atuou também como chefe do Serviço de Sífilis Nervosa e Neurobiologia da Fundação Gaffré e Guinle e no Serviço de Assistência a seis mestrandas Casa de Oswaldo Cruz – COC/Fiocruz Agência financiadora: Fiocruz Psicopatas em 1936. Foi professor catedrático de Neurologia Emérito e Jubilado da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Escreveu cerca de 400 volumes dos quais ele doou para sua cidade natal, Souza (PB) e deixou cerca de 529 volumes em sua biblioteca particular de medicina para a Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Paraíba.

Dr. Waldemiro Pires pode ser considerado como um dos maiores idealizadores e defensores da malarioterapia na cidade do Rio de Janeiro e no Brasil. Suas análises através de seus livros e de seus artigos, como por exemplo, “Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria” e nos “Archivos da Fundação Gaffrée e Guinle” mostram que os cientistas da malarioterapia adaptaram as técnicas europeias para a realidade de seu país e assim expandiram o seu conhecimento em torno da temática.

Em sua homenagem recebeu o título de Patrono da Cadeira nº 39 na Academia Paraibana de Medicina.

Faleceu em 31 de agosto de 1977, na cidade do Rio de Janeiro.