Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Alfredo Alberto Pereira Monteiro

Nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 15 de maio de 1891, filho de Maximiano Pereira Monteiro e de D. Maria Adelaide Xavier Monteiro.

Formado em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1913, apresentando a tese intitulada “Nomenclatura miológica do homem e dos mamíferos domésticos, com o fim de uniformizá-la”, dedicou-se desde os tempos escolares ao estudo de Anatomia. Foi auxiliar voluntário e, depois, monitor de Anatomia Descritiva.

Já em 1914, concorria à docência livre com outra tese: “Duas anomalias musculares do membro abdominal”. Em 1920 publicava, em colaboração com seu mestre, o Prof. Benjamim Baptista, o 1° volume de um “Manual de Anatomia Humana (esqueleto e músculo)”.

Integrou, sob a chefia de Nabuco de Gouvêa, a Missão Médica Especial, de caráter militar, criada para auxiliar os serviços de saúde dos aliados na Primeira Guerra Mundial e enviada em agosto de 1918, ingressando no posto de Capitão e servindo nos hospitais de Paris.

Em 1922, candidatou-se a professor substituto da Secção de Anatomia e Medicina Operatória na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Ao longo de sua carreira, pode lecionar as seguintes disciplinas: Anatomia Humana e Clinica Neurocirúrgica, Anatomia Comparada dos Animais domésticos na Escola de Veterinária do Ministério da Agricultura, Clínica Cirúrgica no Hospital da Cruz Vermelha e Clínica Cirúrgica Infantil e Ortopedia na Faculdade Fluminense de Medicina.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, em 1934, apresentando a memória intitulada “Crânio-faringiomas”, onde foi vice-presidente (1944-1945) e é o Patrono da Cadeira 38.

Em 1943, incorporou-se a Força Expedicionária Brasileira (FEB) e seguiu para o teatro de operações bélicas na Itália, retornando, mais uma vez, ileso a sua pátria, depois de haver, pela segunda vez, cumprido lealmente e seu dever.

Fez parte das seguintes instituições científicas: Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Sociedade de Neurologia e Psiquiatria, Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Associação dos Anatomistas da França, Sociedade de Anatomia Normal e Patologia da Argentina e Academia Argentina de Cirurgia. É o Patrono da Cadeira 31 da Academia de Medicina do Rio de Janeiro.

Foi autor de muitos artigos de colaboração em revistas e apresentou valiosas comunicações às diversas instituições científicas, além de teses, destacando-se: “Músculos de função apagada ou nula e sua representação em alguns animais” (1920/1921), “O segmento ceco-apendicular” e “Anatomia do mediastino posterior, via de acesso” (1922), “Anatomia dos timos” e “O espaço látero-pélvico-viceral” (1925), “Técnica operatória” (1932) e “Técnica operatória esquematizada” (1933).

Faleceu na sua cidade natal, no dia 9 de fevereiro de 1961.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 350

Cadeira: 38 - Alfredo Alberto Pereira Monteiro

Cadeira homenageado: 38

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 04/10/1934

Posse: 18/10/1934

Sob a presidência: Antonio Austregésilo Rodrigues Lima

Saudado: Antônio Benevides Barbosa Vianna

Falecimento: 09/02/1961

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 350

Cadeira: 38 - Alfredo Alberto Pereira Monteiro

Cadeira homenageado: 38

Membro: Titular

Secção: Cirurgia

Eleição: 04/10/1934

Posse: 18/10/1934

Sob a presidência: Antonio Austregésilo Rodrigues Lima

Saudado: Antônio Benevides Barbosa Vianna

Falecimento: 09/02/1961

Nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 15 de maio de 1891, filho de Maximiano Pereira Monteiro e de D. Maria Adelaide Xavier Monteiro.

Formado em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1913, apresentando a tese intitulada “Nomenclatura miológica do homem e dos mamíferos domésticos, com o fim de uniformizá-la”, dedicou-se desde os tempos escolares ao estudo de Anatomia. Foi auxiliar voluntário e, depois, monitor de Anatomia Descritiva.

Já em 1914, concorria à docência livre com outra tese: “Duas anomalias musculares do membro abdominal”. Em 1920 publicava, em colaboração com seu mestre, o Prof. Benjamim Baptista, o 1° volume de um “Manual de Anatomia Humana (esqueleto e músculo)”.

Integrou, sob a chefia de Nabuco de Gouvêa, a Missão Médica Especial, de caráter militar, criada para auxiliar os serviços de saúde dos aliados na Primeira Guerra Mundial e enviada em agosto de 1918, ingressando no posto de Capitão e servindo nos hospitais de Paris.

Em 1922, candidatou-se a professor substituto da Secção de Anatomia e Medicina Operatória na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Ao longo de sua carreira, pode lecionar as seguintes disciplinas: Anatomia Humana e Clinica Neurocirúrgica, Anatomia Comparada dos Animais domésticos na Escola de Veterinária do Ministério da Agricultura, Clínica Cirúrgica no Hospital da Cruz Vermelha e Clínica Cirúrgica Infantil e Ortopedia na Faculdade Fluminense de Medicina.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, em 1934, apresentando a memória intitulada “Crânio-faringiomas”, onde foi vice-presidente (1944-1945) e é o Patrono da Cadeira 38.

Em 1943, incorporou-se a Força Expedicionária Brasileira (FEB) e seguiu para o teatro de operações bélicas na Itália, retornando, mais uma vez, ileso a sua pátria, depois de haver, pela segunda vez, cumprido lealmente e seu dever.

Fez parte das seguintes instituições científicas: Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Sociedade de Neurologia e Psiquiatria, Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Associação dos Anatomistas da França, Sociedade de Anatomia Normal e Patologia da Argentina e Academia Argentina de Cirurgia. É o Patrono da Cadeira 31 da Academia de Medicina do Rio de Janeiro.

Foi autor de muitos artigos de colaboração em revistas e apresentou valiosas comunicações às diversas instituições científicas, além de teses, destacando-se: “Músculos de função apagada ou nula e sua representação em alguns animais” (1920/1921), “O segmento ceco-apendicular” e “Anatomia do mediastino posterior, via de acesso” (1922), “Anatomia dos timos” e “O espaço látero-pélvico-viceral” (1925), “Técnica operatória” (1932) e “Técnica operatória esquematizada” (1933).

Faleceu na sua cidade natal, no dia 9 de fevereiro de 1961.