Área do acadêmico Transmissão ao vivo
EN PT ES

Paulo de Figueiredo Parreiras Horta

Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 24 de janeiro de 1884, sendo seus pais José Freire Parreiras Horta e Paula Margarida de Figueiredo Parreiras Horta e neto do Visconde e da Viscondessa de Ouro Preto. Seu avô, o Visconde de Ouro Preto, de nome Afonso Celso de Assis Figueiredo, foi importante político, jurisconsulto e estadista do Império.

Paulo de Figueiredo Parreiras Horta fez os estudos de humanidades em sua cidade natal. O mesmo ocorreu com sua formação superior. Formou-se inicialmente em farmácia, em 1903, pela Faculdade de Farmácia do Rio de Janeiro. Depois, em 1905, concluiu o curso de medicina, na Faculdade de Medicina da mesma cidade, oportunidade em que defendeu sua tese de doutoramento intitulada “Contribuição para o estudo das septicemias hemorrágicas”, a qual foi aprovada com distinção. A tese de Parreiras Horta é dividida em três partes: a primeira, trata das septicemias hemorrágicas em geral; a segunda, aborda a septicemia dos coelhos; a terceira, é dedicada à septicemia dos coelhos de Manguinhos.

Ainda estudante, frequentou o Instituto Manguinhos, onde foi discípulo de Oswaldo Cruz e de outros notáveis cientistas da época.

Concluído o curso médico, o Dr. Parreiras Horta seguiu para a Europa, onde durante dois anos (1906 e 1907), estudou Microbiologia no Instituto Pasteur de Paris. De volta ao Brasil, foi nomeado Assistente do Instituto Manguinhos.

A convite de Oswaldo Cruz, desenvolveu estudos sobre micoses do couro cabeludo, especialmente sobre um novo tipo de “Piedra negra”, causada pelo Piedraia hortai (hortai, em homenagem a Parreiras Horta – nome proposto por Brumpt, grande parasitologista francês).

Além do P. hortai, Parreiras Horta descreveu outras espécies de cogumelos, tais como Trichosporum flavescens, Trichosporum ramose, Cladosporum wernecki e Madusella osvaldai (em homenagem a Oswaldo Cruz).

De março a setembro de 1911, dedicou-se ao estudo de uma epidemia de raiva que acometia os gados bovinos e equinos de Santa Catarina e que ameaçava estender-se por outras unidades da federação. Parreiras Horta combateu a epizootia, controlou a doença e organizou a produção e distribuição de uma vacina, tanto para a raiva humana quanto para a raiva de outros animais.

Em 1917, assumiu a cátedra de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos, na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro.

Com a entrada do Brasil na 1ª Guerra Mundial, Parreiras Horta foi comissionado, com outros professores, no posto de Tenente Coronel, para trabalhar no laboratório do Instituto Buisson-Bertrand, da Faculdade de Medicina da Universidade de Montpellier, na França.

Regressando ao Brasil, em 1919, Parreiras Horta assumiu a direção da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, cargo correspondente ao atual Reitor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Um novo micetoma de grãos negros produzidos pela Madusella oswaldai”.

No rol de suas relações contava Parreiras Horta com a amizade de Maurício Graco Cardoso, governador de Sergipe, o qual o convidou para vir a Sergipe e construir em Aracaju um Instituto de Pesquisa capaz de ampliar suas ações no campo da Saúde Pública. Atendendo ao convite, Parreiras Hortas chegou à capital sergipana no início de 1923, como hóspede oficial, em companhia da esposa e filhos.

Em Aracaju dedicou-se de corpo e alma ao grande empreendimento. O objetivo era a produção de insumos básicos, o combate a raiva e a produção de vacina antivariólica. O Instituto deveria contar com laboratórios de patologia clínica, de bacteriologia e de química, capazes de propiciar a implantação da pesquisa científica no Estado.

O Instituto foi inaugurado em 5 de maio de 1924, com os laboratórios acima referidos e o setor de produtos biológicos (para a produção das vacinas contra a varíola, a raiva e as febres tifoide e paratifoide).

Em dezembro de 1925, Parreiras Horta concluiu sua missão e retornou para o Rio de Janeiro, deixando em seu lugar o Dr. João Firpo Filho. O governo de Sergipe, num ato de justa homenagem, deu ao seu Instituto de Pesquisa o nome de Instituo Parreiras Horta.

Do currículo do Dr. Parreiras Horta constam, dentre outros, os seguintes títulos: Professor Catedrático de Dermatologia e Sifilografia da Faculdade Fluminense de Medicina; Professor Catedrático de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro; Professor Catedrático e Honorário da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro; Membro efetivo do Conselho Nacional de Educação; e Chefe da Secção Técnica da Diretoria Geral do Serviço de Veterinária do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

O Dr. Parreiras Horta faleceu no Rio de Janeiro, no dia 29 de julho de 1961.

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 280

Cadeira: 52 -

Cadeira homenageado: 52

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 27/06/1918

Posse: 01/08/1918

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Emerência: 12/09/1945

Antecessor: Alfredo da Graça Couto

Falecimento: 29/07/1961

Informações do Acadêmico

Número acadêmico: 280

Cadeira: 52 -

Cadeira homenageado: 52

Membro: Emérito

Secção: Medicina

Eleição: 27/06/1918

Posse: 01/08/1918

Sob a presidência: Miguel de Oliveira Couto

Emerência: 12/09/1945

Antecessor: Alfredo da Graça Couto

Falecimento: 29/07/1961

Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 24 de janeiro de 1884, sendo seus pais José Freire Parreiras Horta e Paula Margarida de Figueiredo Parreiras Horta e neto do Visconde e da Viscondessa de Ouro Preto. Seu avô, o Visconde de Ouro Preto, de nome Afonso Celso de Assis Figueiredo, foi importante político, jurisconsulto e estadista do Império.

Paulo de Figueiredo Parreiras Horta fez os estudos de humanidades em sua cidade natal. O mesmo ocorreu com sua formação superior. Formou-se inicialmente em farmácia, em 1903, pela Faculdade de Farmácia do Rio de Janeiro. Depois, em 1905, concluiu o curso de medicina, na Faculdade de Medicina da mesma cidade, oportunidade em que defendeu sua tese de doutoramento intitulada “Contribuição para o estudo das septicemias hemorrágicas”, a qual foi aprovada com distinção. A tese de Parreiras Horta é dividida em três partes: a primeira, trata das septicemias hemorrágicas em geral; a segunda, aborda a septicemia dos coelhos; a terceira, é dedicada à septicemia dos coelhos de Manguinhos.

Ainda estudante, frequentou o Instituto Manguinhos, onde foi discípulo de Oswaldo Cruz e de outros notáveis cientistas da época.

Concluído o curso médico, o Dr. Parreiras Horta seguiu para a Europa, onde durante dois anos (1906 e 1907), estudou Microbiologia no Instituto Pasteur de Paris. De volta ao Brasil, foi nomeado Assistente do Instituto Manguinhos.

A convite de Oswaldo Cruz, desenvolveu estudos sobre micoses do couro cabeludo, especialmente sobre um novo tipo de “Piedra negra”, causada pelo Piedraia hortai (hortai, em homenagem a Parreiras Horta – nome proposto por Brumpt, grande parasitologista francês).

Além do P. hortai, Parreiras Horta descreveu outras espécies de cogumelos, tais como Trichosporum flavescens, Trichosporum ramose, Cladosporum wernecki e Madusella osvaldai (em homenagem a Oswaldo Cruz).

De março a setembro de 1911, dedicou-se ao estudo de uma epidemia de raiva que acometia os gados bovinos e equinos de Santa Catarina e que ameaçava estender-se por outras unidades da federação. Parreiras Horta combateu a epizootia, controlou a doença e organizou a produção e distribuição de uma vacina, tanto para a raiva humana quanto para a raiva de outros animais.

Em 1917, assumiu a cátedra de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos, na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro.

Com a entrada do Brasil na 1ª Guerra Mundial, Parreiras Horta foi comissionado, com outros professores, no posto de Tenente Coronel, para trabalhar no laboratório do Instituto Buisson-Bertrand, da Faculdade de Medicina da Universidade de Montpellier, na França.

Regressando ao Brasil, em 1919, Parreiras Horta assumiu a direção da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, cargo correspondente ao atual Reitor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Foi eleito Membro Titular da Academia Nacional de Medicina apresentando a memória intitulada “Um novo micetoma de grãos negros produzidos pela Madusella oswaldai”.

No rol de suas relações contava Parreiras Horta com a amizade de Maurício Graco Cardoso, governador de Sergipe, o qual o convidou para vir a Sergipe e construir em Aracaju um Instituto de Pesquisa capaz de ampliar suas ações no campo da Saúde Pública. Atendendo ao convite, Parreiras Hortas chegou à capital sergipana no início de 1923, como hóspede oficial, em companhia da esposa e filhos.

Em Aracaju dedicou-se de corpo e alma ao grande empreendimento. O objetivo era a produção de insumos básicos, o combate a raiva e a produção de vacina antivariólica. O Instituto deveria contar com laboratórios de patologia clínica, de bacteriologia e de química, capazes de propiciar a implantação da pesquisa científica no Estado.

O Instituto foi inaugurado em 5 de maio de 1924, com os laboratórios acima referidos e o setor de produtos biológicos (para a produção das vacinas contra a varíola, a raiva e as febres tifoide e paratifoide).

Em dezembro de 1925, Parreiras Horta concluiu sua missão e retornou para o Rio de Janeiro, deixando em seu lugar o Dr. João Firpo Filho. O governo de Sergipe, num ato de justa homenagem, deu ao seu Instituto de Pesquisa o nome de Instituo Parreiras Horta.

Do currículo do Dr. Parreiras Horta constam, dentre outros, os seguintes títulos: Professor Catedrático de Dermatologia e Sifilografia da Faculdade Fluminense de Medicina; Professor Catedrático de Microbiologia e Parasitologia dos Animais Domésticos na Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária do Rio de Janeiro; Professor Catedrático e Honorário da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro; Membro efetivo do Conselho Nacional de Educação; e Chefe da Secção Técnica da Diretoria Geral do Serviço de Veterinária do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

O Dr. Parreiras Horta faleceu no Rio de Janeiro, no dia 29 de julho de 1961.